Gazeta Digital

Rodoviária tem estrutura precária para receber usuários

João Vieira

João Vieira

O terminal rodoviário de Cuiabá Engenheiro Cássio Veiga de Sá receberá fluxo 40% maior nesse fim de ano. No entanto, a estrutura da rodoviária ainda deixa a desejar para receber os viajantes. Reformada e entregue no ano passado, o local precisa de manutenção básica e urgente.

 

Leia também - Passagens gratuitas devem ser marcadas com antecedência

 

A equipe do #GD esteve no espaço e encontrou ventiladores sem funcionar, cadeiras quebradas, espaços faltando cadeiras, paredes com infiltração e sujas.

 

No banheiro feminino, há vasos quebrados, pias danificadas e paredes com revestimento arrancado e tubulação hidráulica exposta. Plataformas com placas de numeração remendadas com fita adesiva.

 

Além dos problemas estruturais, o local está tomado por pombos, que podem transmitir doenças a quem frequenta o espaço. O ponto de informação ao usuário da rodoviária estava abandonado, no momento em que a reportagem visitou o local.

 

Um taxista disse que nunca tem atendente no local e quem ajuda os visitantes são os seguranças ou os próprios taxistas. O quiosque estava sujo e não aparentava ser usado constantemente.

 

Após contrato emergencial com a empresa Sociedade Nacional de Apoio Rodoviário e Turístico Ltda (Sinart), a rodoviária ganhou nova pintura, abandonando o amarelo de antes por fachada azul, novos guichês de empresas de transporte, quiosques de alimentação e comércio de produtos diversos, no entanto a parte interna, da recepção e espera, seguem precárias.

 

O supervisor da Sinart, Romaro Souza, esclarece que desde que a empresa assumiu a administração da rodoviária tem tomado providências para melhoria do atendimento à população. Foram investidos na pavimentação do estacionamento, manutenção dos ventiladores, banheiros e demais itens que precisavam de reparos.

 

Souza ressalta que a prioridade é a segurança no local, que era alvo de constantes reclamações de furtos e roubos a passageiros. “Hoje isso não tem mais. Temos muita segurança agora”, afirma o supervisor.

 

Souza esclarece que, apesar do cuidado, muitos dos danos da rodoviária são causados pelo mau uso de quem passa pelo local.

 

Sobre o ponto de informação, o supervisor disse que sempre há um servidor da Sinart no local e que, no momento, o atendente estava nas plataformas, cobrindo o almoço de outro trabalhador.

 

“A gente investe na segurança e na infraestrutura, mas o usuário não ajuda. Há pessoas que roubam papel higiênico. Trocamos o suporte de papel em outubro, mas já estão quebradas de novo”, explica.

 

A Secretaria de Infraestrutura foi procurada e informou que a Sinart foi chamada em caráter emergencial, ainda em 2017, e está no local desde então. O contrato foi renovado duas vezes por conta de impasse judicial.

 

“Quanto aos problemas encontrados no complexo, a equipe de fiscalização da Sinfra já notificou a empresa a realizar os reparos, com prazo de 72 horas para iniciar os serviços”, informou a assessoria da Pasta.

 

Um edital de concessão da rodoviária deve ser lançado ainda no primeiro trimestre do ano que vem.

 

Confira nota:
Em relação a situação do Terminal Rodoviário de Cuiabá - Eng. Cássio Veiga de Sá –, a Secretaria de Estado de Infraestrutura (Sinfra) esclarece:

A empresa Sinart foi contratada por chamamento emergencial para atuar por seis meses e assumiu a administração do Terminal Rodoviário de Cuiabá - Eng. Cássio Veiga de Sá – em novembro de 2017. Desde essa data, o contrato foi aditivado duas vezes, resultando em 180 meses de contrato.

 

O aditivo de prazo deve-se a impasses judiciais quanto ao processo de licitação realizado na gestão anterior do governo do Estado para concessão do terminal.

 

No entanto, a atual gestão da Sinfra, trabalha para lançar resolver os entraves e lançar o novo edital licitação do terminal rodoviário no primeiro trimestre de 2020.

 

O investimento projetado ao longo dos 25 anos de concessão e que deve constar de edital é de R$ 15 milhões com outorga de R$ 500 mil, recurso esse que será destinado às contas do Estado.

 

O projeto atual de concessão do terminal, que passou por modificações, prevê melhorias no estacionamento, nos banheiros (com espaço para banho e fraldário), sala de embarque climatizada e elevador.

 

Durante esse período de transição do fim do contrato da concessionária e lançamento de nova licitação, o terminal ainda continua sob administração da Sinart.

 

Quanto aos problemas encontrados no complexo, a equipe de fiscalização da Sinfra já notificou a empresa a realizar os reparos, com prazo de 72 horas para iniciar os serviços.


Fonte: Gazeta Digital

Visite o website: https://www.gazetadigital.com.br