Gazeta Digital

Mulheres fazem protesto contra presença do goleiro Bruno no Operário; veja vídeo

Thalyta Amaral

Thalyta Amaral

Um grupo formado por cerca de 50 mulheres realizaram um protesto na noite desta terça-feira (21), em frente ao Estádio Dito Souza, localizado no bairro Cristo Rei, em Várzea Grande. Elas são contra à presença do goleiro Bruno Fernandes no Operário Futebol Clube de Várzea Grande. O protesto foi pacífico e não impediu a entrada dos torcedores que foram assistir à partida entre o Operário e o Poconé pelo Campeonato Mato-grossense.   

 

A procuradora do Estado e presidente do Conselho Estadual da Mulher, Glaucia Amaral, destacou que o ato tem o objetivo de chamar atenção da sociedade para o que está acontecendo. "Não temos nada contra a ressocialização, pelo contrário, é até absurdo dizer que o conselho é contra a ressocialização. Trabalhamos para a ressocialização dos condenados pela Lei Maria da Penha, agora há uma grande diferença entre ressocialização e colocá-lo na posição de ídolo novamente", disse.

 

Leia também - Gabigol tatua frase provocativa a rivais e anima Fla por permanência

 

Segundo Glaucia, o valor da liberdade ele já recuperou uma vez que ela teve informações de que Bruno segue sendo empresário e cuidando de seus bens. A presidente citou o caso de Guilherme de Pádua, ex-ator que matou a namorada Daniella Perez, lembrou que depois do episódio ele teve que se afastar da TV e não posar de 'bom moço'. "Isso seria inadimissível", destacou. 

 

Lembrou dos valores que o futebol carrega. "O futebol transmite valores a sociedade. Tanto é assim que Educação Física é uma matéria obrigatória no currículum escolar", lembrou.

 

Por outro lado, ainda destacou a participação do Poder Público no futebol, quando ajuda times, quando constrói estádios e concede isenção e benefícios fiscais aos times de futebol. 

 

Para ela, o que se tenta no momento é a inserção de Bruno a uma vida de glamour.  

 

Faixas e cartazes lembraram que Bruno foi um dos responsáveis pelo assassinato de sua ex-companheira Eliza Samudio e pediam a não contratação do jogador, mas respeito às mulheres de Mato Grosso. 

 

Bruno ainda não chegou a Mato Grosso, segundo informações do site 'O Tempo' a Justiça ainda não publicou a autorização. Sem a publicidade do ato de liberação, o goleiro não pode deixar Minas Gerais. 

 

(Colaborou Thalyta Amaral)


Fonte: Gazeta Digital

Visite o website: https://www.gazetadigital.com.br