Gazeta Digital

CPI da Sonegação ouve setor da mineração na segunda

Chico Ferreira

Chico Ferreira

A Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) que investiga indícios de sonegação de impostos e renúncias fiscais indevidas em Mato Grosso retoma suas atividades na quarta-feira (4). A primeira reunião que abre os trabalhos de 2020 está programada para as 9h.

 

Na ocasião, será discutida uma diretriz a respeito da elaboração de um relatório a ser formulado pelo deputado estadual Ondanir Bortolini, o Nininho (PSD), referente ao setor de mineração. No segundo semestre de 2019, foi concluído o relatório da sub-relatoria do setor de combustíveis pelo deputado estadual Carlos Avalone (PSDB).

 

Leia também - Silval será ouvido a 'portas fechadas' em CPI na Câmara de Cuiabá

 

Uma das descobertas que veio à tona é que somente em 2018, Mato Grosso deixou de arrecadar cerca de R$ 1,9 bilhão por causa da sonegação, o que corresponde a 1,5% do Produto Interno Bruto (PIB) estadual.

 

“A CPI tem feitos os trabalhos corretamente. E a maior prova disso é que o próprio governo do estado tem adotado providências e se comprometido a aperfeiçoar o combate à sonegação de impostos. Mato Grosso não pode ter a cada ano demandas crescentes em educação, saúde, segurança pública, infraestrutura e assistência social e uma sonegação de impostos ainda mais crescente que impede a entrada de dinheiro em caixa”, disse.

 

A CPI da Renúncia e Sonegação Fiscal é presidida pelo deputado estadual Wilson Santos e iniciou os trabalhos no dia 12 de março de 2019. Compõem a comissão, além de Wilson Santos (PSDB), os deputados Carlos Avalone (vice-presidente), Ondanir Bortolini - o Nininho (relator), Max Russi (PSB) e Janaína Riva (MDB), estes dois últimos na condição de suplentes.


Fonte: Gazeta Digital

Visite o website: https://www.gazetadigital.com.br