Gazeta Digital

Pinheiros mostra queda de 37% nas receitas em meio a corte de atletas

Reprodução/Instagram/@ecpinheiros

Reprodução/Instagram/@ecpinheiros

Fim de contratos com atletas profissionais, redução em 25% no salário, renegociação com prestadores de serviço e fornecedores… O Esporte Clube Pinheiros detalhou nesta segunda-feira (4) as contas em meio à pandemia do novo coronavírus. Segundo o relatório Contas Abertas, a agremiação, que já rendeu 12 das 129 medalhas olímpicas ao Brasil, teve as receitas reduzidas em R$ 7,4 milhões, sofrendo um impacto negativo de 37%.

 

O clube da zona oeste da capital paulista alega que as ações tomadas em abril foram baseadas para manter o equilíbrio no orçamento, com a tentativa de reduzir o impacto financeiro. As receitas são provenientes, em sua maioria, da mensalidade dos sócios e de atividades do em seu espaço como restaurantes, atividades esportivas, sociais, culturais e de patrocínios. O documento aponta que os números apresentados são estimados.

 

Leia também - Neymar recusa R$ 600 milhões para renovar contrato com PSG, diz jornal

 

Apesar da pandemia, o Pinheiros fechou o primeiro trimestre com superávit de R$ 2,1 milhões. No entanto, cerca de R$ 700 mil já haviam sido perdidos com a suspensão das atividades em março. Por isso, a composição das receitas dos clubes caíram de R$ 19.868.188,05 para uma nova projeção de R$ 12.468.146,07.

 

Na segunda quinzena de abril, o Pinheiros, que havia se classificado na sexta posição para os playoffs do por ora paralisado NBB, demitiu todo o time de basquete masculino. Pouco tempo depois, foi a vez do término do contrato com o último campeão olímpico do salto com vara, Thiago Braz. Em contato com a reportagem, a esgrimista campeã mundial, Nathalie Moellhausen disse que deve manter seu contrato até pelo menos o final do ano.

 

Além deles, os atletas Arthur Nory (ginástica), Marcelo Chierighini (natação) e Rafael Silva (judô) também fazem parte do estrelado time pinheirense. Fontes no clube dizem que mesmo esses contratos devem ser revistos no que seria uma briga entre privilégios para associados e para times de alto rendimento.

 

Dentro desses cortes nas receitas, competições esportivas e viagens foram suspensas, além do valor pago a atletas e técnicos que foi reduzido em 25% — os pagamentos das moradias dos atletas foi mantido. Somente com a despesa dos atletas então, a redução foi de R$ 581.345, que corresponde a 45%.


Fonte: Gazeta Digital

Visite o website: https://www.gazetadigital.com.br