Gazeta Digital

Após agressões, vendedor de picolé passa por necessidade

Reprodução

Reprodução

Espancado em um ponto de ônibus do bairro Santa Rosa, em Cuiabá, o vendedor de picolés Celso Silva, 42, enfrenta dificuldades e precisa de doações. Muito machucado, ele está sem trabalhar e sem renda para sustentar a casa, onde vive com a mãe e um irmão que tem problemas de saúde.


Leia também - Médicos de VG ameaçam greve por falta de pagamento

 

“A gente tem recebido alguma ajuda e é com isso que estamos vivendo”, conta o ambulante ao #GD.


Celso, conhecido como “Paloma” na região do Hospital Santa Rosa, vende picolés no local há mais de 20 anos. Essa é a primeira vez que sofre violência enquanto está na rua.


“Eram dois, eles chegaram e me bateram. Eu pedi ajuda para segurança do prédio e para o outro que trabalha no lanche, mas ninguém me ajudou”, conta.


Era 18h50 e o homem esperava o ônibus para ir para casa quando foi surpreendido pelos dois criminosos que o agrediram com chutes e socos.


“Eu fui medicado e estou melhorando, mas vai levar uns dias para voltar a trabalhar”, conta.


A venda dos picolés é a única fonte de renda para o sustendo da família. Nesse período, eles contam a solidariedade de outras pessoas para se manter.


Quem puder ajudar pode entrar em contato com Celso pelo telefone (65) 9 93067075.


Fonte: Gazeta Digital

Visite o website: https://www.gazetadigital.com.br