Gazeta Digital

Ex-ministro Sérgio Moro reconhece plágio em artigo assinado por ele e advogada

Joédson Alves

Joédson Alves

Sergio Moro, ex-ministro da Justiça e Segurança Publica e ex-juiz federal, admitiu ter trechos plagiados em um artigo assinado por ele em parceria com a advogada Beathrys Ricci Emerich, que foi sua orientanda.

 

Segundo o site Metrópoles, o advogado Marcelo Augusto Rodrigues de Lemos afirmou que Moro e a mestranda Beathrys Ricci Emerich copiaram, sem dar o devido crédito, um trecho de seu trabalho publicado em 1º de setembro de 2019. O artigo de Lemos, publicado no site de notícias jurídicas Conjur, aborda o "alvitamento do livre exercício da advocacia em tempos de crise".

 

Leia também - FHC participa de 3 ’lives’ por semana e pretende dedicar mais tempo ao Twitter

 

O texto de Moro e Emerich, que tem trechos idênticos, trata de lavagem de dinheiro por meio de pagamentos a advogados e foi publicado na revista Relações Internacionais no Mundo Atual, da Unicuritiba.

 

A edição da revista na qual o artigo assinado por Moro e Emerich foi publicado data do período entre abril/junho de 2019. No entanto, os registros de bibliografia feitos pela advogada revelam que o texto saiu depois de abril de 2020. Ou seja, sete meses depois da publicação original.

 

Moro admitiu ao site Metropoles que havia trechos plagiados, mas disse que o erro foi da coautora do texto. O ex-ministro explicou que ele orientou a aluna e que é comum que a assinatura do orientador apareça como coautor. "A redação é basicamente do orientando", justificou.

 

O ex-juiz afirmou que consultou a orientanda, que admitiu a citação de dois trechos sem dar crédito ao trabalho de Lemos.

 

Moro pediu desculpas e disse que o artigo seria retirado da revista para ser reavaliado.

Segundo a reportagem, Emerich não respondeu aos questionamentos e desativou suas contas nas redes sociais, nas quais tem foto ao lado de Sergio Moro.

 

O autor do texto, Marcelo Augusto Rodrigues de Lemos, afirmou ao Metrópoles, que é uma "honra" ser citado por Moro, mas esperava pelo menos ser "creditado". O advogado disse ainda esperar no mínimo "uma retratação dos autores, um reconhecimento".


Fonte: Gazeta Digital

Visite o website: https://www.gazetadigital.com.br