Gazeta Digital

Vídeo mostra PM agredindo advogado durante o trabalho

Chico Ferreira/Reprodução

Chico Ferreira/Reprodução

Advogado Felipe Carlos Almeida, 28, denunciou ter sofrido agressão e injúria do tenente da Polícia Militar de Pontes e Lacerda (448 km ao Oeste de Cuiabá), Alexandre Aparecido de Assis. Na ocorrência, o advogado afirma ainda que o militar cometeu ainda crime de abuso de autoridade enquanto ele exercia sua profissão em meio a uma ação dos policiais. Câmeras de segurança registraram o momento em que o rapaz leva um golpe no peito.

 

De acordo com as informações, Felipe procurou a Polícia para registrar a ocorrência contra o militar. Ele narrou que na sexta-feira (26), por volta das 9h50, estava atendendo um cliente envolvido na ocorrência policial quando foi agredido pelo tenente.

 

Leia também - Vídeo mostra o assassinato de jovem na frente da família

 

O militar, que é da Força Tática, teria dito que ‘não gosta de advogados criminalistas’. Ainda conforme a declaração do policial ‘advogado é tudo bandido, você é bandido igual esse outro. Advogado não serve para nada’, teria dito.

 

Após as falas, o tenente desferiu um golpe no peito do advogado, deixando lesões. A vítima alega que ele abusou do seu poder de atuação e impediu que ele exercesse sua função profissional.

 

Depois da agressão, Felipe precisou chamar outro advogado para acompanhar o cliente. Quando registrou a ocorrência, ele apresentou fotos e vídeos que comprovam o crime.

 

Em nota, a Ordem dos Advogados do Brasil em Mato Grosso (OAB-MT) lamentou o caso e afirmou que a atitude do militar representa violação gravíssima às prerrogativas profissionais e configura ainda, além da violência real, o abuso de autoridade. Leia a nota na íntegra no final da matéria.

 

Já a Polícia Militar informou que a Corregedoria da PM recebeu na segunda-feira (29) o vídeo referente à denúncia e está analisando as imagens, bem como outros documentos que vão subsidiar uma investigação para apurar a conduta do tenente.

 

 

PM se manifesta

“A Corregedoria da Polícia Militar informa que recebeu nesta segunda-feira (29.06) o vídeo relacionada à ocorrência envolvendo um advogado, situação registrada em Pontes e Lacerda, e que está analisando as imagens, solicitando cópias do Boletim de Ocorrência(BO), se houver, e outras documentações afetas aos fatos fins subsidiar o procedimento investigatório juntamente como material disponível até o momento”

 

OAB-MT  lamenta caso

"A ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL SECCIONAL DE MATO GROSSO, por intermédio de seu Tribunal de Defesa de Prerrogativas, em razão dos fatos ocorridos na cidade de Pontes em Lacerda/MT, em 26/06/2020, que tivera como ofendido o advogado Dr. Felipe Carlos, vem a público manifestar o que segue. O advogado, Dr. Felipe Carlos, após ter sido chamado por cliente para acompanhar abordagem da PM em sua residência, foi recebido pelo sr. Oficial PM Tenente Alexandre Aparecido de Assis da Força Tática, com palavrões e violência física, consoante comprova-se através do vídeo que inclusive circula nas mídias sociais.  Diante da lamentável situação e, após ser comunicado pelo Advogado Ofendido, a OAB/MT, por intermédio de seu Tribunal de Defesa de Prerrogativas designou representante em Pontes e Lacerda, para prestar as primeiras providências em seu apoio e orientação. Importa destacar que atos desta natureza são inconcebíveis em desfavor de todos os cidadãos e muito mais àqueles que estão no exercício de suas atividades profissionais, como no caso do advogado ofendido, representando violação gravíssima às prerrogativas profissionais e configurando, além de violência real, ato tipificado como abuso de autoridade.          

Nesse sentido, a OAB/MT vem reiterar que não aceita e não aceitará qualquer ato de violência moral ou física cometido em desfavor de advogadas e advogados principalmente quando do exercício de seu mister. A violência ao profissional no exercício de sua atividade ultrapassa os contornos do violador e ofendido, tendo reflexo imediato, no Estado Democrático de Direito, e no exercício pleno da cidadania. A OAB/MT de forma incisiva vai apurar o caso, cobrando das autoridades respectivas o processamento e posterior punição aos ofensores e violadores das prerrogativas profissionais, inclusive afastamento imediato dos policias envolvidos. Neste compasso, ações internas e representações formais serão realizadas tão pronto a documentação acerca do caso for encaminhada. A OAB/MT reafirma o seu compromisso de lutar, intransigentemente, contra aqueles que insistem em se utilizar de atos e ações truculentas, para impedir o livre exercício profissional da advocacia."


Fonte: Gazeta Digital

Visite o website: https://www.gazetadigital.com.br