Gazeta Digital

Irmã de suspeita acionou o Samu e informou tiro acidental

Reprodução/Montagem

Reprodução/Montagem

Logo após Isabele Ramos,14, ser atingida com um tiro na cabeça e o pai da suspeita de atirar, Marcelo Cestari, ligar para o Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu), a irmã da atiradora aciona o socorro no dia 12 de julho. No entanto, ela já informa que a adolescente foi baleada, diferente do empresário, que apenas disse que a amiga da filha estava ferida e perdendo muito sangue.


Leia também - Dupla rouba chácara e sequestra família no interior de MT

Isabele Ramos morreu na casa da amiga, na noite de 12 de julho. Ela havia passado o dia na casa e estava no banheiro do andar superior quando foi ferida.


Em depoimento, a suspeita disse que estava com as armas nas caixas, quando o objeto caiu e ela se abaixou para pegar.

 

Quando se levantou, com a caixa em uma das mãos e a pistola na outra, houve o disparo acidental, como relatou à polícia.


Em aúdio divulgado pelo site Hipernotícias, a irmã da suspeita se apresenta e dá “boa tarde” à atendente. Muito nervosa ela passa os dados solicitados e informa que uma pessoa foi baleada.


“Estou com uma emergência aqui no Alphaville 1 (...) houve um tiro acidental”, conta á atendente do Samu. Logo depois, a mulher pergunta de novo qual a emergência e a menor responde: “tiro acidental. Disparo de arma”. A ligação dura menos de um minuto e logo o telefone fica mudo.

 

O caso
Isabele foi morta com um disparo que entrou pela narina e saiu na nuca, na noite do dia 12, no banheiro do quarto da amiga, a adolescente de 14 anos, filha do empresário. A jovem alegou que o crime ocorreu após um disparo acidental, quando ela tentava guardar as 2 pistolas que caíram das caixas plásticas. As armas pertenciam ao pai do namorado dela, usadas em torneios de tiro esportivo. Tanto o empresário como os filhos todos praticam o esporte.


Fonte: Gazeta Digital

Visite o website: https://www.gazetadigital.com.br