Gazeta Digital

Mato Grosso perde a irreverĂȘncia e o talento de Adir SodrĂ©

Arthur Passos

Arthur Passos

Atualizada às 21h07 - Morreu aos 57 anos em Cuiabá, o artista plástico Adir Sodré, em sua casa na área central da capital. Ele foi encontrado caído na calçada por um vizinho e não apresentava sinais vitais. A causa da morte será investigada. 

 

Conforme as informações, por volta das 18h o vizinho de Adir informou que ouviu um barulho e um grito. Ao sair na porta para ver o que havia acontecido, já encontrou Sodré caído na parte da calçada.

 

O homem ainda contou que tentou socorrê-lo, mas sem sucesso. Adir já não respondia pelos chamados. Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) esteve no local e a equipe médica realizou procedimentos de reanimação, mas em vão. O óbito foi declarado ainda na porta da casa do artista.

 

O local foi isolado até a chegada da Perícia Oficial e Instituto Médico Legal (IML), que ficará responsável pelo corpo de Adir. Uma de suas sobrinhas está acompanhando os trabalhos e registrou um boletim de ocorrência na Polícia Civil. Ainda não há informações sobre velório e sepultamento. 

 

Orgulho de ser 'cuiabano'

Prefeito de Cuiabá, Emanuel Pinheiro, lamentou a morte de Adir, quem ele classificou como ‘um dos maiores nomes na nossa arte’. Em nota divulgada, o chefe do executivo municipal lembrou a parceria com o artista no projeto Cidade Viva, que possibilitou que as obras de mobilidade urbana de Cuiabá ganhassem cores, tornando-se obras de artes.

 

Sodré assinou um dos pilares do Viaduto do Despraiado. “Infelizmente, perdemos um dos maiores nomes na nossa arte. Adir sempre demonstrou todo seu orgulho por Cuiabá em suas obra. Por meio de suas pinturas, Cuiabá foi transportada para outras cidades, estados e países. Além de um grande artista era uma pessoa muito querida. Nesse momento de dor, nosso desejo é de que o Senhor conforte os familiares, amigos e admiradores”, finalizou o prefeito.

 

Secretário de Estado de Cultura, Esporte e Lazer, Alberto Machado, o Beto Dois a Um, também lamentou a morte do artista, considerado pelo Governo como ‘um ícone das artes plásticas’. 

 

“É uma imensa perda para a cultura mato-grossense. Um homem que sempre esteve além do seu tempo. Um artista com um potencial incrível e que teve sua arte reconhecida, não apenas em Mato Grosso, mas no Brasil e no Museu de Arte Moderna de Paris. Adir Sodré fará muita falta para a nossa cultura e para os amigos e familiares”, destacou o secretário Beto Dois a Um.

 

Cores e traços

Considerado um dos principais artistas pela complexidade da sua arte, Adir Sodré é reconhecido em todo o país. A irreverência e a genialidade de Sodré logo foram percebidos por artistas mais velhos. 

 

Chico Ferreira

Adir Sodré

 

Natural de Rodonópolis (distante 210 km de Cuiabá),  tão logo chegou a capital se junto a artistas locais. "Em 1977, frequenta o Atelier Livre da Fundação Cultural de Mato Grosso, onde é orientado por Humberto Espíndola e Dalva. Nos dois anos seguintes, integra, com Gervane de Paula, e outros artistas, um grupo que procura renovar a arte mato-grossense. Nessa época, participa de exposições coletivas organizadas pelo Museu de Arte e de Cultura Popular da Universidade Federal do Mato Grosso (MACP/UFMT)", cita um trecho da biografia de Sodré.


Fonte: Gazeta Digital

Visite o website: https://www.gazetadigital.com.br