Gazeta Digital

Ministério Público denuncia youtuber Júlio Cocielo em processo por atos de racismo

Reprodução/Instagram

Reprodução/Instagram

Júlio Cocielo se tornou réu em processo de racismo por postagens nas redes sociais entre os anos de 2011 e 2018. A denúncia, feita pelo Ministério Público do Estado de São Paulo, foi aceita pela juíza Cecilia Pinheiro da Fonseca, da 3° Vara Criminal de São Paulo, nesta terça-feira (15).

 

Segundo o documento, o youtuber e influenciador digital "praticou e incitou a discriminação e preconceito de cor, cometido por intermédio dos meios de comunicação social qual seja publicações diversas na sua conta pessoal @cocielo da rede social 'twitter'".

 

Leia também - Internada com pneumonia, Vanusa apresenta anemia

 

 

Cocielo, de 27 anos, é acusado de fazer as piadas desde 02 de novembro de 2011, mas foi na data 'final' citada pelo processo, dia 30 de junho de 2018, que o caso ganhou mais repercussão.

 

Na ocasião, que se deu durante a Copa do Mundo, ele fez um tuíte sobre o jogador francês Mbappé e foi acusado por milhares de internautas de racismo. "mbappé conseguiria fazer uns arrastão top na praia hein", dizia a postagem. O episódio também resultou em uma ação civil pública movida pelo MP, que cobra R$ 7,5 milhões de indenização.


Este, no entanto, não é o único post citado na denúncia. Outros, como "eu queria ter gravado um vídeo sobre o dia da consciência negra, só que aí deixei quieto porque na cela não tem wi-fi", "nada contra negros, tirando a melanina" e "o brasil seria mais lindo se não houvesse frescura com piadas racistas. mas já que é proibido, a única solução é exterminar os negros" também foram incluídos.


Se for condenado, Cocielo, que é dono do CanalCanalha e possui mais de 19 milhões de seguidores nas redes sociais, pode pegar de dois a cinco anos de prisão.


Fonte: Gazeta Digital

Visite o website: https://www.gazetadigital.com.br