Gazeta Digital

Corregedor diz que Flordelis 'chorou muito' em depoimento

Fernando Frazão/Agência Brasil

Fernando Frazão/Agência Brasil

A deputada Flordelis prestou um depoimento emocionado à corregedoria da Câmara na última terça-feira (22), diferente do que aconteceu quando foi notificada da abertura do processo por quebra de decoro e não se emocionou. Desta vez, Flordelis "chorou muito" em alguns momentos do depoimento.

 

De acordo com o corregedor da Câmara, deputado Paulo Bengston (PTB-PA), o depoimento durou uma hora e quarenta minutos, a deputada falou à vontade inicialmente e depois respondeu às dez perguntas previamente elaboradas pela corregedoria. Uma das perguntas tratou das mensagens trocadas entre a deputada e o pastor Anderson do Carmo, que são alvo de investigação pela polícia.

 

Leia também - Na ONU, Jair Bolsonaro faz apelo contra cristofobia; 'País é cristão e conservador'

 

O teor do depoimento segue sob sigilo.


Apesar do prazo para apresentação do relatório do corregedor terminar em 31 de outubro, Bengston pretende entregar à mesa diretora da Câmara o seu parecer em dez dias, se a defesa da deputada não anexar nenhum novo documento, o que pode fazer.

 

De acordo com a defesa de Flordelis, o depoimento ao corregedor foi um pedido da defesa. Segundo Anderson Rollemberg, a deputada queria dar a sua versão sobre as mensagens encontradas pela polícia.

 

"Na primeira fase da investigação só dois filhos foram denunciados, Flávio e Lucas, e não se encontrou nada contra a deputada. Na segunda fase da investigação, a polícia pega tudo o que conseguiu resgatar de mensagens de aparelhos celular e não dá oportunidade da deputada se explicar. Se desse oportunidade certamente seria esclarecido quem digitou as sete conversas".

 

Para Rollemberg, "não houve interesse na investigação porque o livro que vende mais é com a Flordelis na capa".

 

O caso

A parlamentar responde por quebra de decoro, após ter sido indiciada como mandante da morte do marido, o pastor Anderson do Carmo. O crime aconteceu em junho do ano passado. O processo pode acabar com a perda de mandato da parlamentar.


Fonte: Gazeta Digital

Visite o website: https://www.gazetadigital.com.br