Publicidade

Cuiabá, Sábado 19/09/2020

Variedades - A | + A

conclusão da saga 18.12.2019 | 16h29

'Star Wars: A Ascensão Skywalker' prefere agradar fãs a ser melhor

Facebook Print google plus

Reprodução

Reprodução

Quando se tem um público cativo e sempre ávido por mais, o passo mais seguro que se pode dar é entregar a este público exatamente o que ele quer. Mas essa não parece ser, necessariamente, a melhor decisão a se tomar.

 

Leia também - Nutricionista indica alimentação que auxilia na TPM

 

O universo do entretenimento está sempre em evolução. Desde que os irmãos Lumière passaram o filme do trem chegando à estação, muito já foi acrescentado e criado para ampliar as opções tanto para criadores quanto para o público.

 

Um grande catalizador destas mudanças que pudemos acompanhar foi a internet. Com ela, as pessoas passaram a ter maior facilidade no acesso a conteúdos antes inalcançáveis e passaram a ter voz ativa de verdade na criação dos próximos lançamentos.

 

Se você não gostou do filme x por um motivo específico, é certo que na rede você encontrará uma comunidade de outras pessoas que concordam com este ponto. Com isso, mudanças são feitas no topo da escala (como recentemente foi o caso do visual do Sonic no filme do personagem) para atender e agradar o maior público possível.

 

Por este ponto de vista, a nova trilogia de Star Wars tem seus dois primeiros pontos em completos opostos. Se o Episódio 7 introduzia os novos protagonistas em meio a doses cavalares de nostalgia e até utilizando das mesmas fórmulas para conquistar o público, o Episódio 8 pegou qualquer expectativa e as atirou tão longe quanto Luke o fez com o sabre de luz em uma de suas primeiras cenas.

 

O primeiro, foi bem recebido por público e crítica, já o segundo, apesar de manter o bom desempenho entre especialistas, viu sua avaliação do público despencar e seu diretor, Rian Johnson, ser tido como grande vilão da história por quebrar as expectativas.

 

Com isso, chegamos ao Episódio 9: Ascenção Skywalker. De volta às mãos de J.J. Abrams, a saga tem em sua conclusão a grandiosidade esperada, mas, apesar dos diversos momentos emocionantes, a falta de impacto e sobra de clichês faz com que o gosto final não seja tão doce.

 

Abrams parece uma criança mimada, que ao ver seus brinquedos sendo explorados de modo diferente por algum amigo, os toma de volta e tenta apagar qualquer mudança que tenha sido feita no caminho que havia trilhado.

 

O longa parece tentar apertar todos os botões necessários para emocionar os fãs. E de fato consegue fazer os apaixonados pela saga rirem, se preocuparem e verterem lágrimas. O problema é que tudo parece muito mais mecânico e movido à nostalgia do que uma história verdadeiramente impactante.

 

As próprias cenas demonstram esta falta de inspiração, com planos simples e pouco variados. Por outro lado, o ponto positivo segue sendo a trilha de John Williams, mas que, novamente, busca a inspiração dos temas clássicos para criar a atmosfera de sequência buscada.

 

No roteiro é onde encontramos a principal bagunça do longa. Tentando retomar de onde parou em O Despertar da força, apagando o máximo possível de Os Últimos Jedi e ainda acrescentando mais ingredientes a uma fórmula já recheada, os produtores dão voltas e mais voltas para chegar a um final que, apesar de não ser óbvio antes de se entrar na sessão, se torna cada vez mais previsível conforme a narrativa vai se desenrolando.

 

Os grandes contadores de histórias dizem que, com o tempo, a própria narrativa cria vida e decide para onde deve ir, cabendo a quem escreve apenas seguir esta linha e respeitar os arcos narrativos. Talvez essas deveriam ser as pessoas ouvidas na hora de construir este capítulo final de uma das franquias mais importantes da história, não a dos fãs na internet.

Voltar Imprimir

Publicidade

Comentários

Enquete

Denúncias de mulheres contra agressores demoram vir à tona por conta de posição social?

Parcial

Edição digital

Sexta-feira, 18/09/2020

imagem
imagem
imagem
imagem
imagem
imagem
imagem

Publicidade

btn-4

Indicadores

Milho Disponível R$ 23,75 1,28%

Algodão R$ 90,25 0,38%

Boi a Vista R$ 136,00 0,00%

Soja Disponível R$ 69,30 0,43%

Publicidade

Classi fácil
btn-loja-virtual

Publicidade

Mais lidas

Publicidade

O Grupo Gazeta reúne veículos de comunicação em Mato Grosso. Foi fundado em 1990 com o lançamento de A Gazeta, jornal de maior circulação e influência no Estado. Integram o Grupo as emissoras Gazeta FM, FM Alta Floresta, FM Barra do Garças, FM Poxoréu, Cultura FM, Vila Real FM, TV Vila Real 10.1, TV Pantanal 22.1, o Instituto de Pesquisa Gazeta Dados, Gráfica Millenium e o Portal Gazeta Digital.

Copyright© 2020 - Gazeta Digital - Todos os direitos reservados Logo Trinix Internet

É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem a devida citação da fonte.