Publicidade

Cuiabá, Domingo 25/10/2020

Economia - A | + A

DEU EM A GAZETA 30.08.2020 | 07h38

Número de devedores ultrapassa 1 milhão em Mato Grosso

Facebook Print google plus

Divulgação

Divulgação

A inadimplência cresceu 7% em Mato Grosso nos últimos 12 meses. De acordo com apuração do Serviço de Proteção ao Crédito (SPC), número de inadimplentes chegou a 1,1 milhão de pessoas em julho. O atraso no pagamento das dívidas é uma das consequências do aumento do desemprego e de perda na renda das famílias durante a pandemia e um dos principais entraves para o reaquecimento da economia.

 

Segundo o SPC, os setores com maior índice de inadimplência são bancos, com 31,6%, seguido por comércio (31%); água e luz (16,7%) e comunicações (13,6%). Entre os devedores, a maior parcela tem entre 30 e 39 anos de idade (26,3%), seguida da faixa etária de 40 a 49 anos (21,4%).

 

É uma situação que as pessoas enfrentam devido às dificuldades encontradas para se colocar no mercado de trabalho e, às vezes, por falta de planejamento financeiro. O idoso Manoel Pinto, 67, é um exemplo. Ainda não conseguiu se aposentar e trabalha como autônomo, fazendo “bicos” eventuais em jardinagem. Durante a pandemia, a procura pelo serviço reduziu e quitar as contas ficou em segundo plano diante de manter as necessidades essenciais. “Já era difícil, mas agora está muito parado. Para sobreviver, só com a ajuda de Deus”, desabafa.

 

Há um elevado número de pessoas em condições parecidas. O número de desocupados cresceu 16% no 2º trimestre em Mato Grosso, saltando de 156 mil para 181 mil. Além disso, 10% dos trabalhadores do setor privado (64 mil) perderam o emprego, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Não há dados atualizados quanto à renda média, que já acumulava queda de 3,8% nos últimos 2 anos, no 1º trimestre.

 

O economista Emanuel Daubian explica que a pandemia deixou os trabalhadores informais ainda mais desamparados. Enquanto os formais recebem o seguro-desemprego, os informais perdem totalmente a sua fonte de renda ao serem impedidos de trabalhar. “Esse desamparo leva, em consequência, ao aumento da inadimplência, sem a fonte de renda para pagar as despesas mais básicas, como água, energia e as prestações de boletos e cartões”.

 

Leia mais notícias sobre economia de MT na edição do Jornal A Gazeta

Voltar Imprimir

Publicidade

Comentários

Sônia zago Cardoso - 30/08/2020

Vdd eu mesma sou uma dessas pessoas não consigo por em dias minhas dívidas com o esposo sem trabalhar só vai acumulando

1 comentários

1 de 1

Enquete

Com abertura do comércio, bares, igrejas e retomada de festas, você já retomou à rotina?

Parcial

Edição digital

Domingo, 25/10/2020

imagem
imagem
imagem
imagem
imagem
imagem

Publicidade

btn-4

Indicadores

Milho Disponível R$ 61,00 2,52%

Algodão R$ 125,19 1,55%

Boi à vista R$ 242,24 0,00%

Soja Disponível R$ 161,50 0,31%

Publicidade

Classi fácil
btn-loja-virtual

Publicidade

Mais lidas

Publicidade

O Grupo Gazeta reúne veículos de comunicação em Mato Grosso. Foi fundado em 1990 com o lançamento de A Gazeta, jornal de maior circulação e influência no Estado. Integram o Grupo as emissoras Gazeta FM, FM Alta Floresta, FM Barra do Garças, FM Poxoréu, Cultura FM, Vila Real FM, TV Vila Real 10.1, TV Pantanal 22.1, o Instituto de Pesquisa Gazeta Dados, Gráfica Millenium e o Portal Gazeta Digital.

Copyright© 2020 - Gazeta Digital - Todos os direitos reservados Logo Trinix Internet

É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem a devida citação da fonte.