Publicidade

Cuiabá, Sábado 08/08/2020

Celebridades - A | + A

'365 Dias' 03.07.2020 | 10h52

Sequestrada e estuprada, Duffy faz criticas a filme

Facebook Print google plus

Reprodução/Instagram

Reprodução/Instagram

Após revelar que foi sequestrada e estuprada por quatro dias em 2010, a cantora Duffy resolveu se manifestar sobre o filme 365 Dias, um dos maiores sucessos da Netflix em 2020.

 

A cantora mandou uma carta para o CEO da plataforma de streaming, Reed Hastings, pedindo para que o longa metragem fosse removido do catálogo.

 

Leia também - Isolado, Carlos Alberto vê bisneto pela primeira vez

 

A cantora critica a 'glamorização' que o filme faz de 'tráfico sexual, sequestro e estupro' e comenta que essa é a infeliz realidade de 25 milhões de pessoas ao redor do mundo.

 

Leia na íntegra:

 

Querido Reed,

 

"Recentemente eu escrevi publicamente sobre uma situação pela qual eu passei. Eu fui drogada, sequestrada, traficada e estuprada. Eu publiquei um relato em minha conta pessoasl que você pode encontrar em detalhes em http://www.duffywords.com.

 

Hoje, eu realmente não sei o que pensar, falar ou dizer além de entrar em contato e explicar para você nessa carta o quão irresponsável é por parte da Netflix transmitir o filme 365 Dias. Eu não quero estar nessa posição de ter que escrever para você, mas o sofrimento que eu vivi me obriga a fazê-lo porque a experiência violenta que eu vivi é do mesmo tipo que você escolheu apresentar como 'erotismo adulto'.

 

365 Dias glamoriza a realidade brutal do tráfico sexual, sequestro e estupro. Isso não deveria ser entretenimento para ninguém nem deveria ser descrito dessa forma ou ser comercializado dessa maneira.

 

Eu escrevo essas palavras (que eu nem acredito ter que escrever em 2020, com tanta esperança e progresso conquistado nos últimos anos) enquanto aproximadamente 25 milhões de pessoas são vítimas de tráfico ao redos do mundo, sem mencionar o incontável número não reportado. Por favor tire um momento para parar e pensar nesse número, equivalente a quase metade da população da Inglaterra. E de todos os traficados anualmente, pelo menos 80% são mulheres e meninas e 50% são menores de idade.

 

Me entristece que a Netflix dê plataforma para esse tipo de 'cinema', que erotiza o sequestro e distorce a violência sexual e tráfico como um filme 'sexy'. Eu não consigo imaginar como a Netflix pode ter ignorado o quão irresponsável, insensível e perigoso isso é. Isso até incentivou que jovens mulheres pedissem que Michele Morrone, o ator principal do filme, as sequestrasse.

 

Nós todos sabemos que a Netflix não aceitaria material glamorizando a pedofilia, racismo, homofobia, genocídio ou nenhum outro tipo de crimes contra a humanidade. O mundo iria, com razão, se levantar e gritar. Tragicamente, vítimas de tráfico e sequestro não são vistas e ainda assim em 365 Dias seu sofrimento é transformado em um 'drama erótico', como descrito pela Netflix.

 

Então eu me sinto na obrigação de falar por elas e pedir que corrijam esse erro; que disponibilizem os recursos da Netflix e as habilidades de seus talentosos criadores a produzirem e transmitirem conteúdo que retrate a a difícil e desesperadora realidade que 365 Dias transformou em um entretenimento casual.

 

Eu me acalmo para explicar a você - quando eu fui traficada e estuprada, eu tive sorte em sair com vida, mas muitos não foram tão sortudos. E agora eu tenho que presenciar essas tragédias e a minha própria tragédia sendo erotizada e minimizada. Para onde eu posso ir? Além de escrever essa carta.

 

Para qualquer um que venha falar que é 'apenas um filme', não, não é 'apenas' quando ele tem grande potencial para distorcer um assunto que é pouquíssimo discutido, como o tráfico sexual e o sequestro, ao transformá-lo em erotismo.

 

E já que 365 Dias mostrou ser extremamente popular, também quero endereçar essa carta aos espectadores. Eu peço para que os milhões que gostaram do filme que reflitam sobre a realidade do sequestro e tráfico, da força da exploração sexual, e de uma experiência que é o total oposto da fantasia representada em 365 Dias.

 

Agora que estamos próximos do Dia Mundial Contra o Tráfico de Pessoas em 30 de julho, eu encorajo a Netflix e todos que assistiram a 365 Dias a aprenderem um pouco mais sobre o tráfico de pessoas visitando o site

https://www.unodc.org/unodc/en/human-trafficking/what-is-human-trafficking.html e que ajudem organizações como catwinternational.org, hopeforjustice.org, polarisproject.org, antislavery.org, stopthetraffik.org, unseenuk.org, notforsalecampaign.org, ijm.org, a21.org e madeforthem.org.Se vocês da Netflix não absorverem nada dessa carta além dessas últimas palavras, eu já estarei feliz. Vocês não perceberam que 365 Dias trouxe muito sofrimento para todos aqueles que vivenciaram a dor e o horror que esse filme glamoriza por entretenimento e dinheiro. O que eu e outros que conhecemos essa injustiça precisamos é justamente o contrário - uma narrativa de realidade, esperança e poder ter uma voz.

 

Nós sabemos mais, nos deixe fazer melhor. Duffy"

Voltar Imprimir

Publicidade

Comentários

Enquete

Após a reabertura dos shoppings, você voltou a frequentar como antes da pandemia?

Parcial

Edição digital

Sexta-feira, 07/08/2020

imagem
imagem
imagem
imagem
imagem
imagem

Publicidade

btn-4

Indicadores

Milho Disponível R$ 21,65 -1,14%

Algodão R$ 92,33 -0,51%

Boi a Vista R$ 140,00 0,00%

Soja Disponível R$ 68,01 -1,29%

Publicidade

Classi fácil
btn-loja-virtual

Publicidade

Mais lidas

Publicidade

O Grupo Gazeta reúne veículos de comunicação em Mato Grosso. Foi fundado em 1990 com o lançamento de A Gazeta, jornal de maior circulação e influência no Estado. Integram o Grupo as emissoras Gazeta FM, FM Alta Floresta, FM Barra do Garças, FM Poxoréu, Cultura FM, Vila Real FM, TV Vila Real 10.1, TV Pantanal 22.1, o Instituto de Pesquisa Gazeta Dados, Gráfica Millenium e o Portal Gazeta Digital.

Copyright© 2020 - Gazeta Digital - Todos os direitos reservados Logo Trinix Internet

É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem a devida citação da fonte.