Publicidade

Cuiabá, Sexta-feira 13/12/2019

Cidades - A | + A

FELICIDADE NA DANÇA 29.09.2019 | 14h11

Dançarina luta para quebrar tabu do 'padrão' do peso ideal

Facebook Print google plus

Dançarina há mais de 20 anos, a designer de moda Monthana Morimã encontrou na dança do ventre a felicidade e valorização da autoestima. Hoje seu foco é ajudar outras mulheres corpulentas a encontrarem também a “felicidade na dança”. Ela está em processo de montagem de um grupo “Belly Plus”, só com dançarinas gordas para levar ao palco no ano que vem.

 

Leia também -Pessoas com deficiência enfrentam dificuldades e constrangimento

 

Candidata a miss plus size por duas vezes, uma em 2014 e outra em setembro desse ano, a jovem 28 anos traçou um longo caminho até se sentir segura e bonita estando acima do peso recomendado para sua altura.

 

João Vieira

Monthana Morimã / Dança do Ventre / Dança / Plus-size / Gordinhas

 Monthana estuda dança desde os 7 anos

“Participei porque acho muito bonito. Me encanta esse mundo de miss. Depois continuamos a manter contato com as outras candidatas, compartilhando histórias e nos ajudando”, conta a dançarina.

 

Fora do miss e seguindo com as aulas de dança do vente, ela incentiva mulheres a encararem o espelho e se amarem da forma que são. Para isso, ela reúne turma de dançarinas obesas para iniciarem as aulas e fazerem disso uma terapia que as ajude a “saírem do armário”.

 

“O que eu quero é levar as dançarinas e mostrar a realidade. Porque querer levar é uma coisa, mas sentar e conversar com elas. Explicar que vão ter olhares e isso é complicado, mostrar a barriga é complicado, a pele do braço é complicado. E você está pronta para isso?”, explica. A expectativa é que o “belly plus” se apresente em 2020.

 

A professora afirma que há toda uma preparação para as apresentações e o grupo é importante para o fortalecimento das aprendizes. “É óbvio que a primeira vez que elas subirem no palco vai ser um baque. A galera ainda não está preparada para ver muita gordurinha mexendo. Essa vai ser minha grande missão. Estão acostumados a ver a mim ou a Jasmine dançando, que é um respeito conquistado por anos, mas ver um monte de mulheres ainda não. Quero ver como vai ser”, conta a dançarina que ressalta o objetivo de quebrar tabus e dar espaço para a diversidade.

 

Apesar de todo o processo de valorização e boa autoestima, todo dia é uma luta para não considerar os olhares e os comentários desagradáveis em relação ao peso. No convívio com outras mulheres, Monthana percebe que o incômodo quanto às formas não atinge só quem está acima do peso, mas quem está no “corpo ideal”, o padrão que a sociedade prega, é que torna muitas pessoas infelizes. “Nenhuma mulher está satisfeita. “As líderes, que colocam a cara no sol, são que vão levar isso (aceitação) para frente”, pontua.

 

Mesmo lutando contra a gordofobia e ter o foco em montar sua turma de mulheres, segundo ela, todas são bem vindas independente da forma. “Eu quero a felicidade na minha turma. Quero pessoas que estejam dispostas a encontrarem a felicidade na dança”.

 

Preconceito

Desde pequena, ela sempre foi "maior" que as outras colegas e o temperamento “travesso” fez com que os pais a colocassem no balé “ para que se tornasse mais feminina”. Porém, a iniciativa não deu muito certo, pois a dançarina conta que, aos 7 anos, sofria preconceito por ser mais gordinha que as outras meninas. Discriminação essa que partia da professora e fez com que Monthana ficasse nas aulas por apenas um mês.

 

De lá, descobriu a dança do ventre e, ainda criança, começou a se apresentar e tomou gosto pelo palco e encontrou seu espaço naquele estilo de arte.

 

Apesar da dança e de sempre praticar esportes, a jovem sempre esteve acima do peso e lutou para emagrecer a todo custo. Já recorreu a remédios e dietas restritivas que não funcionavam. O caminho foi árduo até que a dançarina ficasse feliz com a imagem. Hoje isso não a abala, como afetava antes, mas todo dia é um desafio a ser enfrentado para que a imposição do corpo "padrão" não a coloque em dúvida sobre sua autoestiam ou a deixe triste.

 

Os anos de dança e o amadurecimento proporcionaram à professora fazer as pazes com o corpo e com o espelho. Agora ela compartilha seu conhecimento e ajuda a outras mulheres a também se enxergarem maravilhosas e com carinho.

 

Além de dançarina, Monthana é costureira e bordadeira e divulga seu trabalha na página no facebook.

 

Vídeo

Voltar Imprimir

Publicidade

Comentários

Jornal do Meio Dia - JM

Jornal do Meio Dia - JM

Enquete

Qual sua opinião sobre a propaganda partidária em rádio e TV?

Parcial

Edição digital

Sexta-feira, 13/12/2019

imagem
imagem
imagem
imagem
imagem
imagem

Publicidade

btn-4

Indicadores

Milho Disponível R$ 23,45 -0,42%

Algodão R$ 90,53 -0,31%

Boi a Vista R$ 135,00 0,14%

Soja Disponível R$ 68,00 -1,31%

Publicidade

Classi fácil
btn-loja-virtual

Publicidade

Mais lidas

Publicidade

O Grupo Gazeta reúne veículos de comunicação em Mato Grosso. Foi fundado em 1990 com o lançamento de A Gazeta, jornal de maior circulação e influência no Estado. Integram o Grupo as emissoras Gazeta FM, FM Alta Floresta, FM Barra do Garças, FM Poxoréu, Cultura FM, Vila Real FM, TV Vila Real, o Instituto de Pesquisa Gazeta Dados, Gráfica Millenium e o Portal Gazeta Digital.

Copyright© 2019 - Gazeta Digital - Todos os direitos reservados Logo Trinix Internet

É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem a devida citação da fonte.