Publicidade

Cuiabá, Sábado 26/09/2020

Esporte - A | + A

racismo 15.09.2020 | 10h26

'Sou negro, filho de negro, neto e bisneto de negro' Neymar Jr desabafa na internet

Facebook Print google plus

Arquivo Pessoal

Arquivo Pessoal

Levaram dez anos.

 

Mas Neymar finalmente assumiu algo que deveria ter feito há muito tempo.

 

Leia também - Neymar Jr é chamado de macaco, dá tapa em rival e acaba levando cartão vermelho

 

A sua raça.

 

Ele é negro.

 

E tem de ter orgulho.

 

Como se fosse branco, amarelo, índio.

 

A sua declaração de dez anos atrás sempre ecoou no coração e mentes de quem acompanha sua trajetória no futebol.

 

"Nunca (fui vítima de racismo). Nem dentro e nem fora de campo. Até porque eu não sou preto, né?"

 

 

Foi há dez anos.

 

Ele seguiu a carreira, sem se envolver na séria questão do racismo.

 

Nem em outra questão social importante.

 

Neymar tem sua fundação, que ajuda centenas de crianças no litoral paulista. Ela é administrada pelo pai. O máximo que se envolve é participar de torneios de futebol nas férias e de leilões.

 

Tudo seguia tranquilamente até ontem.

 

Quando encontrou o espanhol Álvaro González, do Olympique de Marselha. Na partida pelo Campeonato Francês, o brasileiro do PSG passou a trocar ofensas e provações com o adversário.

 

Até que deu um soco na nuca de Àlvaro González. O VAR chamou o árbitro Jérôme Brisard e o atacante foi expulso.

E denunciou o rival como racista.

 

No Instagram colocou com todas as letras que foi chamado de 'mono hijo de pu...', macaco filho da pu...

 

Por ser negro.

 

E hoje, ele assume sua raça.

 

"Eu sou negro, filho de negro, neto e bisneto de negro."

 

"Tenho orgulho e não me vejo diferente de ninguém."

 

Era essa postura que se esperava de um ídolo.

 

Neymar caminha para os 29 anos.

 

Não pode mais ser aceito seu comportamento infantilizado.

 

Se foi ele mesmo quem escreveu o desabafo no Instagram, e não nenhum dos dezenas de funcionários que cuidam de sua carreira, o progresso é admirável.

 

Neymar sabe que tem mais de 230 milhões de seguidores nas redes sociais.

 

É exemplo para muita criança.

 

E se posicionar em relação à sua raça é algo imprescindível.

 

Neymar será suspenso.

 

Ficará entre 4 e 7 partidas sem entrar em campo.

 

O espanhol corre até risco maior.

 

De ficar até dez jogos longe do futebol.

 

Desta vez é por um motivo compreensível a ausência de Neymar dos gramados.

 

No meio de mais esta confusão na sua carreira, há algo fundamental.

 

Muito positivo.

 

A afirmação pública do orgulho de sua raça.

 

Como tem de ser.

 

Abaixo, o desabafo completo de Neymar...

 

"Ontem me revoltei, fui punido com vermelho porque quis dar um cascudo em quem me ofendeu. Achei que não poderia sair sem fazer nada porque percebi que os responsáveis não fariam nada, não percebiam ou ignoravam. Durante o jogo, queria dar a resposta como sempre, jogando futebol. Os fatos mostram que não consegui, me revoltei."

 

"No nosso esporte, as agressões, insultos, palavrões são do jogo, da disputa. Não dá para ser carinhoso. Entendo esse cara em parte. Faz parte do jogo. Mas o preconceito e a intolerância são inaceitáveis. Eu sou negro, filho de negro, neto e bisneto de negro. Tenho orgulho e não me vejo diferente de ninguém. Ontem eu queria que os responsáveis pelo jogo (árbitro, auxiliares) se posicionassem de modo imparcial e entendessem que não cabe tal atitude preconceituosa."

 

"Refletindo e vendo tanta manifestação quanto ao que ocorreu, fico triste pelo sentimento de ódio que podemos provocar quando no calor do momento nos revoltamos. Deveria ter ignorado? Não sei ainda... Hoje com a cabeça fria respondo que sim, mas oportunamente eu e meus companheiros pedimos ajuda aos árbitros e fomos ignorados. Esse é o ponto!"

 

"Nós que estamos envolvidos no entretenimento precisamos refletir. Uma ação levou a uma reação e chegou onde chegou. Aceito minha punição porque deveria ter seguido no caminho da disputa limpa do futebol. Espero, por outro lado, que o defensor também seja punido."

 

"O racismo existe, mas temos que dar um basta. Não cabe mais, chega! O cara foi um tolo, eu também fui por me deixar ser atingido... Eu ainda hoje tenho o privilégio de me manter com a cabeça levantada, mas todos nós precisamos refletir que nem todos os pretos e brancos podem estar na mesma condição."

 

"O dano do confronto pode ser desastroso para ambos os lados, quer seja preto ou branco. Não quero e não podemos misturar assuntos. Cor de pele não há escolha. Perante Deus somos todos iguais."

 

"Agora... Ontem perdi no jogo e me faltou sabedoria... Estar no centro dessa situação ou ignorar um ato racista não vai ajudar, eu sei. Mas pacificar esse movimento "antirracismo" é obrigação nossa para que o menos privilegiado receba naturalmente sua defesa."

 

"Vamos nos encontrar novamente e vai ser do meu jeito, jogando futebol... Fica na paz! Fica em paz! Você sabe o que falou... Eu sei o que fiz! Mais amor ao mundo!"

Voltar Imprimir

Publicidade

Comentários

Enquete

Onze candidatos disputam o Senado, você acha que o número amplia o leque de propostas ou mostra a desunião da classe política?

Parcial

Edição digital

Sexta-feira, 25/09/2020

imagem
imagem
imagem
imagem
imagem
imagem

Publicidade

btn-4

Indicadores

Milho Disponível R$ 24,15 0,21%

Algodão R$ 90,88 -0,31%

Boi a Vista R$ 132,00 0,76%

Soja Disponível R$ 72,60 -0,27%

Publicidade

Classi fácil
btn-loja-virtual

Publicidade

Mais lidas

Publicidade

O Grupo Gazeta reúne veículos de comunicação em Mato Grosso. Foi fundado em 1990 com o lançamento de A Gazeta, jornal de maior circulação e influência no Estado. Integram o Grupo as emissoras Gazeta FM, FM Alta Floresta, FM Barra do Garças, FM Poxoréu, Cultura FM, Vila Real FM, TV Vila Real 10.1, TV Pantanal 22.1, o Instituto de Pesquisa Gazeta Dados, Gráfica Millenium e o Portal Gazeta Digital.

Copyright© 2020 - Gazeta Digital - Todos os direitos reservados Logo Trinix Internet

É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem a devida citação da fonte.