Publicidade

Cuiabá, Terça-feira 11/08/2020

Política de MT - A | + A

DÍVIDA Com hospital 07.12.2019 | 11h40

‘Cuiabá carrega saúde nas costas’, rebate Emanuel sobre repasses do HGU

Facebook Print google plus

João Vieira

João Vieira

Ao apontar a saúde pública municipal como prioridade, o prefeito Emanuel Pinheiro (MDB) rebateu ao na última semana às críticas envolvendo os valores repassados ao Hospital Geral. O gestor apontou, ainda, a dívida da saúde que o Estado tem com a prefeitura.

 

Conforme divulgado, o Hospital Geral paralisou os atendimentos de cirurgias eletivas e novos pacientes para internação na Unidade de Terapia Intensivas (UTI) por meio do Sistema Único de Saúde (SUS) e cobrou da prefeitura os valores já repassados pelos governos federal e estadual.

 

Leia também - Atrasos nos repasses do HGU são inverdades, diz secretário

 

Entretanto, o emedebista listou toda a estrutura de saúde pública que tem que gerir, inclusive os hospitais conveniados. De acordo com Emanuel, a dívida do governo do Estado – que atualmente gira em torno de R$ 30 milhões, mas a prefeitura estima entre R$ 40 milhões – dificulta o atendimento e manutenção das unidades de saúde.

 

“Cuiabá carrega nas costas a saúde do estado. Então enquanto o estado não paga, eu priorizo a saúde publica, 100% pública. Enquanto tenho condições, faço os repasses pros hospitais privados, que são os conveniados, como é o caso do HGU. Inclusive, o Hospital Geral é um hospital que respeito muito”, comenta. 

 

O prefeito ainda afirma que chegou a contra notificar o governo esta semana por conta da dívida. “Só Deus, eu e minha equipe sabemos como tenho me esforçado e sofrido muito para manter a saúde em pé”. Em setembro, deste ano, outra notificação também foi cobrada.

 

Pinheiro relata que uma parcela, no valor de R$ 13 milhões foi repassada. Porém, mesmo que tenha feito propostas de parcelas, o prefeito afirma que o governo do estado tem dificultado as relações para sanar a dívida.

 

“A divida que era de R$ 54 caiu para R$ 30 milhões, só que existe R$ 14 milhões que Cuiabá tem, tudo documentado. O estado deve mas não reconhece. O que eu propus: vamos chamar duas equipes técnicas, essas equipes sentam a mesa, fazem o acordo de contas e veja se deve, se não deve, quanto que deve, quanto que não deve”, atualiza o gestor.

 

Com este valor, o prefeito ainda calcula o que poderia ser feito para a saúde pública. “Se o estado me repassar esse dinheiro hoje, eu reformo e amplio a saúde bucal de todas as unidades deterioradas e quase que abandonadas, arrebentadas mesmo. É muito dinheiro. Com isso eu termino mais cedo a UPA do Leblon, com esse recurso que está programado pro aniversário de Cuiabá do ano que vem”, analisa.

Voltar Imprimir

Publicidade

Comentários

Enquete

Toda a polêmica envolvendo a morte da adolescente é por dúvida se o tiro foi acidental?

Parcial

Edição digital

Terça-feira, 11/08/2020

imagem
imagem
imagem
imagem
imagem
imagem

Publicidade

btn-4

Indicadores

Milho Disponível R$ 18,90 -0,53%

Algodão R$ 93,03 0,22%

Boi a Vista R$ 135,00 0,00%

Soja Disponível R$ 64,00 -0,78%

Publicidade

Classi fácil
btn-loja-virtual

Publicidade

Mais lidas

Publicidade

O Grupo Gazeta reúne veículos de comunicação em Mato Grosso. Foi fundado em 1990 com o lançamento de A Gazeta, jornal de maior circulação e influência no Estado. Integram o Grupo as emissoras Gazeta FM, FM Alta Floresta, FM Barra do Garças, FM Poxoréu, Cultura FM, Vila Real FM, TV Vila Real 10.1, TV Pantanal 22.1, o Instituto de Pesquisa Gazeta Dados, Gráfica Millenium e o Portal Gazeta Digital.

Copyright© 2020 - Gazeta Digital - Todos os direitos reservados Logo Trinix Internet

É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem a devida citação da fonte.