Publicidade

Cuiabá, Domingo 20/09/2020

Celebridades - A | + A

série da netflix 16.09.2020 | 12h00

'Cuties' é 'pornografia infantil', diz senador dos EUA

Facebook Print google plus

Reprodução

Reprodução

Tom Cotton, senador pelo estado do Arkansas, nos Estados Unidos, escreveu um longo artigo em que faz duras críticas ao filme francês Mignonnes, que no país norte-americano recebeu o título de Cuties.

 

No texto, publicado no portal do canal Fox News, o político classificou a produção, disponível e amplamente divulgado pela Netflix, como o "exemplo mais recente de exploração sexual infantil na indústria cinematográfica."

 

Leia também - Elba Ramalho e a filha têm teste positivo para covid-19

 

De acordo com a publicação, o longa mostra um grupo de meninas de 11 anos "imitando e adotando comportamentos altamente sexualizados da cultura popular, desde pornografia na internet até vídeos musicais", escreve Cotton.

 

O senador também contesta o posicionamento da diretora Maïmouna Doucouré, da plataforma de vídeos e alguns críticos de cinema, que, segundo ele, defendem que o filme seria, na verdade, uma "crítica social contra a sexualização de crianças."

 

O artigo também responsabiliza a plataforma de vídeos, que teria a "obrigação legal de não transmitir pornografia infantil ou promover a exploração sexual de crianças".

 

O político cita, inclusive, a lei federal dos Estados Unidos que define os parâmetros de proteção a menores e classifica a distribuição das imagens como "crime grave". "Netflix tem a responsabilidade legal básica de não transmitir pornografia infantil."

 

Tom Cotton cobrou também um posicionamento do ex-presidente Barack Obama e sua esposa, Michelle Obama, que podem desembolsar mais R$ 343 milhões (US$ 65 milhões) para que a plataforma possa filmar suas histórias de vida.

 

"Esses líderes têm a influência e, na verdade, a obrigação de pressionar a Netflix para remover material obsceno e nojento como Cuties. Eles são cúmplices", disse o senador pelo Partido Republicano, mesmo partido do presidente Donald Trump.

 

O filme

 

O filme francês Mignonnes, que nos Estados Unidos recebeu o título de Cuties, foi lançado em 2020. O longa foi escrito e dirigido pela franco-senegalesa Maïmouna Doucouré.

 

A história aborda a vida de uma garota franco-senegalesa, educada a partir de conceitos tradicionais da religião muçulmana.

 

A menina, de 11 anos, no entanto, se vê em um conflito entre os valores da tradição e a cultura mostrada pela internet.

 

Entretanto, a produção vem recebendo uma série de críticas desde a estreia no festival Sundance Film Festival, no início do ano. Diferentes correntes políticas e sociais apontam que o filme estaria "sexualizando" crianças.

 

Em agosto, a Netflix chegou a pedir desculpas pelo pôster de divulgação do longa. "Pedimos perdão pela arte inapropriada que usamos para o filme Cuties. Foi errado, e a arte não representava corretamente o conteúdo deste filme francês que venceu um prêmio em Sundance", disse um porta-voz da empresa mundial.

Voltar Imprimir

Publicidade

Comentários

Enquete

Onze candidatos disputam o Senado, você acha que o número amplia o leque de propostas ou mostra a desunião da classe política?

Parcial

Edição digital

Domingo, 20/09/2020

imagem
imagem
imagem
imagem
imagem
imagem

Publicidade

btn-4

Indicadores

Milho Disponível R$ 22,87 -1,93%

Algodão R$ 89,63 0,52%

Boi a Vista R$ 130,00 -1,02%

Soja Disponível R$ 66,10 -0,15%

Publicidade

Classi fácil
btn-loja-virtual

Publicidade

Mais lidas

Publicidade

O Grupo Gazeta reúne veículos de comunicação em Mato Grosso. Foi fundado em 1990 com o lançamento de A Gazeta, jornal de maior circulação e influência no Estado. Integram o Grupo as emissoras Gazeta FM, FM Alta Floresta, FM Barra do Garças, FM Poxoréu, Cultura FM, Vila Real FM, TV Vila Real 10.1, TV Pantanal 22.1, o Instituto de Pesquisa Gazeta Dados, Gráfica Millenium e o Portal Gazeta Digital.

Copyright© 2020 - Gazeta Digital - Todos os direitos reservados Logo Trinix Internet

É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem a devida citação da fonte.