Publicidade

Cuiabá, Terça-feira 24/11/2020

Judiciário - A | + A

intolerância 27.10.2020 | 07h18

Mulher demitida por religião pede indenização de R$ 345 mil

Facebook Print google plus
Izabelle Borges - Especial para o GD

izabelle@gazetadigital.com.br

Arquivo

Arquivo

Uma mulher de Cuiabá, que afirma ter sido demitida por intolerância religiosa e racismo - pois ela é do candomblé -, entrou com uma ação contra a empresa pedindo indenização por danos morais no valor de R$ 345,5 mil. Regina Santana da Silva Fernandes denunciou que havia sido demitida em setembro, após raspar a cabeça em razão de sua iniciação religiosa.

 

No processo, Regina afirma que soube da sua demissão, em virtude da discriminação, pelos colegas de trabalho. Ela relata que foi chamada à sala da supervisora, onde foi forçada a retirar a touca que escondia o corte de cabelo e passou a ouvir os insultos à sua raça e religião.

 

Leia também - Decreto de VG flexibiliza a abertura de shoppings e lojas

 

Ainda no documento, Regina afirma que ouviu frases como "além de ser negra é macumbeira", "pessoa da sua cor e macumbeira não pode participar do quadro da empresa" e que não adiantaria abrir uma ação já que a empresa já possuía diversos processos, mas não havia perdido nenhum.

 

Ela argumenta ainda que como a ex-funcionária recebeu atestado médico em função de problemas de saúde após acidente de trabalho não comunicado pela empresa, e pela saúde mental fragilizada, não houve assinatura de desligamento e a empresa não fez o pagamento de nenhum valor rescisório.

 

Regina prestava serviços em um hospital particular quando recebeu um golpe na barriga vindo de uma máquina que operava, foi atendida pelos funcionários da unidade hospitalar e recebeu medicação.

 

A empresa que a contratou era terceirizada para prestar serviços gerais e, segundo a liminar, não prestou nenhuma assistência, causando piora na saúde da ex-funcionária. Segundo o documento, Regina precisou ser encaminhada à cirurgia e contou apenas com o apoio dos irmãos de religião.

 

Além disso, acusa os antigos superiores de diversas maneiras de assédio moral, injúria e preconceito racial. Entre eles estão o assédio moral vertical, por haver humilhação e exposição por parte de um superior hierárquico direto; assédio moral organizacional, por ter sido submetida a diversos constrangimentos, sendo rebaixada do cargo que ocupava e recebendo ordens rígidas; e assédio moral estratégico, após receber funções que iam contra seu perfil de trabalho, para que ela entendesse que não pertencia ao perfil desejado pela empresa.

 

Voltar Imprimir

Publicidade

Comentários

leitor - 27/10/2020

Acho que tem muita reclamação, penso que seja uma estratégia do defensor como é prática normal desses...quando nos dias de hoje onde falar qq coisa a pessoa se dói um superior iria falar tudo isso que está na matéria... NUNCA...pra mim há muita conversa... aí ..

1 comentários

1 de 1

Enquete

Você concorda com o retorno das aulas presenciais em fevereiro ou acha melhor esperar a vacina?

Parcial

Edição digital

Terça-feira, 24/11/2020

imagem
imagem
imagem
imagem
imagem
imagem

Publicidade

btn-4

Indicadores

Milho Disponível R$ 63,00 -0,79%

Algodão R$ 122,38 0,18%

Boi à vista R$ 257,07 -1,89%

Soja Disponível R$ 163,75 -0,15%

Publicidade

Classi fácil
btn-loja-virtual

Publicidade

Mais lidas

Publicidade

O Grupo Gazeta reúne veículos de comunicação em Mato Grosso. Foi fundado em 1990 com o lançamento de A Gazeta, jornal de maior circulação e influência no Estado. Integram o Grupo as emissoras Gazeta FM, FM Alta Floresta, FM Barra do Garças, FM Poxoréu, Cultura FM, Vila Real FM, TV Vila Real 10.1, TV Pantanal 22.1, o Instituto de Pesquisa Gazeta Dados, Gráfica Millenium e o Portal Gazeta Digital.

Copyright© 2020 - Gazeta Digital - Todos os direitos reservados Logo Trinix Internet

É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem a devida citação da fonte.