Publicidade

Cuiabá, Sábado 29/02/2020

Colunas e artigos - A | + A

14.02.2020 | 13h05

Contato com os Zoró

Facebook Print google plus

Elias Januário

Divulgação

Divulgação

Os índios Zoró são um povo que fala uma língua pertencente à família Tupi - Mondé do tronco Tupi, assim como os Gavião, Suruí, Aruá e Cinta-Larga, cujas aldeias são encontradas na região de fronteira entre os estados de Mato Grosso e Rondônia, muitas delas às margens do Rio Branco, pertencente ao município de Rondolândia, no Parque Indígena Aripuanã, estado de Mato Grosso, sendo de difícil acesso, principalmente no período chuvoso, devido às longas distâncias a serem percorridas em estradas sem pavimentação e a travessia de barco até próximo às aldeias.

 

As primeiras informações sobre esse povo foram feitas por Francisco Meirelles, da fundação Nacional do Índio - Funai - que localizou algumas de suas aldeias no ano de 1976. Apesar do contato com os não indígenas ser recente, o impacto na organização social e cultural foi expressivo, proporcionando a ressignificação de inúmeras práticas existentes na cultura deste povo, em particular na influência religiosa decorrente da presença de missionários. Nessa época, eram aproximadamente oitocentas pessoas, distribuídas em vinte malocas. Alguns meses depois a área Zoró foi interditada pela portaria nº. 1587 de 19/04/1978. No entanto, colonos continuaram invadindo a área, o que chegou a ameaçar a integridade física e cultural dos Zoró.

 

No final da década de setenta, foi reaberta uma estrada dentro da área indígena que estava interditada. Essa estrada facilitou para os colonos, fazendeiros e garimpeiros o acesso à área de forma desordenada. Chegaram a se instalar, em plena área Zoró, cerca de 600 famílias, formando inclusive uma vila.

 

Um relatório feito através de um estudo desenvolvido pelos antropólogos Lionel Valle e Gillio Brunelli na Universidade de Montreal, no Canadá, sobre uma frente de atração Zoró no município de Aripuanã, Mato Grosso, no ano de 1984, foi incluído na pesquisa os costumes desse povo, onde consta informações da existência de um sistema bilateral classificatório, com casamento endogâmico de primos cruzados, fazendo com que todos na aldeia sejam parentes.

 

As aldeias costumam ser pequenas com aproximadamente cinquenta habitantes que, têm a tradição de reunirem-se para a realização de rituais e comemorações tradicionais ou quando enfrentam um problema comum ao grupo. Vivem em casas ou malocas feitas de madeira e cobertas de palha ou telha de amianto, mas no passado as casas eram feitas tradicionalmente de madeira e palha. Na organização social e cultural foi expressivo, proporcionando a ressignificação de inúmeras práticas existentes na cultura deste povo, em particular na influência religiosa decorrente da presença de missionários.

 

Com relação ao meio ambiente, eles têm um conhecimento relevante de seu território e sabem localizar rios, igarapés, serras e antigas aldeias com muita exatidão. Conhecem os caminhos do mato e sabem muito bem onde ficam seus vizinhos Cinta-Larga, Suruí, Gavião e Arara.

 

Vale recordar que nos primeiros anos do contato, a população, estimada em 800 pessoas, foi reduzida em apenas 178 indivíduos, devido ao assassinato e ao grande surto de doenças levadas pelos não índios, como; gripe, sarampo, etc.

O povo Zoró, apesar de todas as formas de invasão e interferências, continua praticando grande parte de suas tradições. As festas, a caça, a pesca, a coleta, a crença, o respeito aos pajés ainda fazem parte da vida deste povo indígena nos dias atuais.

 

Elias Januário é educador, antropólogo e historiador.

Voltar Imprimir

Publicidade

Comentários

Enquete

Número de delações premiadas significa que MT está sendo passado a limpo?

Parcial

Edição digital

Sexta-feira, 28/02/2020

imagem
imagem
imagem
imagem
imagem
imagem

Publicidade

btn-4

Indicadores

Milho Disponível R$ 21,80 -0,46%

Algodão R$ 118,58 -0,22%

Boi a Vista R$ 136,00 0,24%

Soja Disponível R$ 63,10 0,32%

Publicidade

Classi fácil
btn-loja-virtual

Publicidade

Mais lidas

Publicidade

O Grupo Gazeta reúne veículos de comunicação em Mato Grosso. Foi fundado em 1990 com o lançamento de A Gazeta, jornal de maior circulação e influência no Estado. Integram o Grupo as emissoras Gazeta FM, FM Alta Floresta, FM Barra do Garças, FM Poxoréu, Cultura FM, Vila Real FM, TV Vila Real, o Instituto de Pesquisa Gazeta Dados, Gráfica Millenium e o Portal Gazeta Digital.

Copyright© 2019 - Gazeta Digital - Todos os direitos reservados Logo Trinix Internet

É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem a devida citação da fonte.