Publicidade

Cuiabá, Sexta-feira 28/02/2020

Cidades - A | + A

50 ANOS DE HISTÓRIA 24.01.2020 | 11h59

Alunos e professores protestam contra fechamento da Escola Nilo Póvoas

Facebook Print google plus

Otmar de Oliveira

Otmar de Oliveira

Alunos e professores na Escola Estadual Nilo Póvoas protestaram contra o fechamento da unidade. Os manifestantes se concentraram em frente a Secretaria de Estado de Educação (Seduc), na manhã desta sexta-feira (24).

 

Leia também -Poeta viraliza em Poconé com faixa de amor para 'Baixinha' doce como manga

 

Após longa espera, representantes do protesto conseguiram uma reunião com a pasta e expor os argumentos para a manutenção da unidade.

 

De acordo com o coordenador da Nilo Póvoas, Marco Antonio, a justificativa de falta de alunos apresentada pelo governo não se sustenta. A Seduc afirma que a escola tem 130 alunos, mas isso não é realidade, segundo o professor. Hoje a unidade tem mais de 600 alunos e o prédio abriga também a Escola Estadual Barão de Melgaço e salas do projeto Nova Chance de educação para reeducandos.

 

À noite não há aulas. Como a escola é plena, os estudantes passam o dia todo no local. “A gente reconhece que o uso está abaixo da expectativa, mas não é como a Seduc está falando. Além disso, não há mais procura por falta de incentivo do governo. No ano passado, passaram por aqui 230 novos alunos. Para 2020, teríamos pelo menos mais 120 novas matrículas”, afirma o coordenador.

 

Marco Antonio afirma que há um projeto da escola para abertura de mais turmas, mas que não foi aprovado pelo governo do Estado.

 

Segundo ele, a análise divulgada pelo Estado foi feita dentro da Seduc, não houve visita técnica à Nilo Póvoas para se apurar a real situação. O comunicado do fechamento surpreendeu a todos.

 

Ex-alunos da escola fizeram coro ao protesto. Solanyara Maria da Silva, 42, hoje é doutora em nutrição, formada pela Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT). Ela estudou por 10 anos, entre 1982 e 1992, na Escola Nilo Póvoas e atribuir à educação recebida ali as conquistas até se tornar doutora.

 

“A escola tem um bom ensino, tem história. Poderiam desativar outras unidades que estão em situação precária e trazer os alunos para a Nilo. É uma escola com estrutura diferenciada, que oferece qualidade de ensino. A escola sempre foi referência no estado. É impossível o governador, a Seduc, querer fechar uma escola do porto do Nilo Póvoas”, afirma a doutora.

 

Ao comunicar o fechamento da unidade, a Seduc anunciou que o espaço será transformado em escola Centro de Referência em Educação Inclusiva.

 

Segundo, Solanyara, que é mãe de deficiente, a escola precisaria de muitos reparos e adaptação, pois o projeto não favorece a acessibilidade para alunos com deficiência. “Eu não colocaria meu filho para estudar alí”. A ex-aluna é a idealizadora de um abaixo-assinado contra o fechamento da escola, que já recebeu mais de duas mil assinaturas.

Galeria de fotos

Voltar Imprimir

Publicidade

Comentários

Enquete

Número de delações premiadas significa que MT está sendo passado a limpo?

Parcial

Edição digital

Sexta-feira, 28/02/2020

imagem
imagem
imagem
imagem
imagem
imagem

Publicidade

btn-4

Indicadores

Milho Disponível R$ 21,35 -1,84%

Algodão R$ 96,32 0,55%

Boi a Vista R$ 131,82 -3,07%

Soja Disponível R$ 66,40 0,15%

Publicidade

Classi fácil
btn-loja-virtual

Publicidade

Mais lidas

Publicidade

O Grupo Gazeta reúne veículos de comunicação em Mato Grosso. Foi fundado em 1990 com o lançamento de A Gazeta, jornal de maior circulação e influência no Estado. Integram o Grupo as emissoras Gazeta FM, FM Alta Floresta, FM Barra do Garças, FM Poxoréu, Cultura FM, Vila Real FM, TV Vila Real, o Instituto de Pesquisa Gazeta Dados, Gráfica Millenium e o Portal Gazeta Digital.

Copyright© 2019 - Gazeta Digital - Todos os direitos reservados Logo Trinix Internet

É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem a devida citação da fonte.