Publicidade

Cuiabá, Terça-feira 14/07/2020

Cidades - A | + A

COVID-19 20.06.2020 | 07h40

Em vídeo, servidora denuncia ameaça e risco de contágio em hospital

Facebook Print google plus

Divulgação

Divulgação

Cansada de humilhações e constantes ameaças vividas no Hospital São Luiz, de Cáceres (223 km a Oeste), a técnica de enfermagem Marta Almeida fez um vídeo e publicou nas redes sociais. Na filmagem de pouco mais de 10 minutos, ela relata falta de condições de trabalho aos servidores e exposição ao risco de contaminação pro covid-19 tanto dos pacientes que buscam atendimento, quanto para os próprios funcionários.


Leia também -12 servidores acusados de esconder EPIs são exonerados

 

A mulher trabalha na unidade há 15 anos e os problemas de agravaram há 2 anos, quando a empresa Pró-Saúde assumiu a administração da unidade. Ela relata que a chefe, identificada como Lidiane, persegui os funcionários e a trocou de horário após um desentendimento.


Relata que os servidores trabalham com pacientes com covid-19 e com suspeitas. Alguns são trocados de setor para lidar com outros pacientes sem sequer fazer testes para averiguar se há contaminação pelo novo coronavírus.


“Quando a Pró-Saúde assumiu a promessa era de que não iria mudar nada. A primeira coisa que fez foi cortar nosso plano de saúde e alterar nossa alimentação, que agora consiste em ossinho, fígado picadinho, frango e bucho”, relata.


Denúncia que o material usado para proteção contra contaminação por coronavírus não é adequado e que os pacientes ficam misturados e aglomerados na recepção do hospital, sem qualquer cuidado para evitar contaminação.


“Eu já trabalhei com pacientes covid e suspeitos. Depois ela me trocou para uma clinica, sem testar, sem nada, onde tenho contato com recém-nascido, gestante e idoso”, aponta. “Por causa de picuinha colocou nossa vida em risco”, continua.
Conforme relato da técnica, 30% dos servidores do hospital estão afastado com covid-19 ou suspeita.


“Eu vim aqui para expor, porque eu sei que quando esse vídeo for ao ar, eu vou ser mandado embora. A gente já foi prevenido disso. Não me importo, será por uma boa causa. Assim, vou evitar que mais pessoas se contaminem. O que eu não quero para minha família, não quero para ninguém”, afirma.


Ela ainda convida as autoridades a vistoriarem a unidade e a procurarem, pois ela terá gosto em falar. “Eu não estou mentindo”.

 

Outro lado
O Hospital São Luiz foi procurado e encaminhou a seguinte nota:
Em relação à mensagem que a colaboradora divulgou em sua rede social, o Hospital São Luiz e a Pró-Saúde esclarecem que:

• A Pró-Saúde possui normas internas que orientam os colaboradores dos hospitais gerenciados, como o São Luiz, sobre a maneira como devem conduzir suas atividades, seguindo a cultura organizacional da instituição e a legislação em vigor como, aliás, acontece na maioria das empresas e instituições.

• Uma dessas orientações, por exemplo, busca preservar o direito à privacidade de colaboradores, pacientes, familiares, acompanhantes e todas as pessoas que se encontram dentro da unidade.

• Portanto, no Hospital São Luiz não é permitido o registro de fotos, vídeos ou mesmo manifestos públicos em nome da unidade sem autorização. Cabe afirmar que todos os colaboradores da unidade concordam e respondem por essas normas desde o momento em que assinam o contrato de trabalho.

• Todos os colaboradores da Pró-Saúde, incluindo os que atuam no Hospital São Luiz, possuem canais internos efetivos e amplamente divulgados para a resolução de problemas e conflitos. Assim, qualquer ação que não considera este fluxo ou os meios legais é passível de questionamento de suas reais intenções.

• Em decorrência da pandemia causada pela Covid-19, todos os profissionais receberam treinamento e capacitação para cuidar de pacientes afetados pela doença, desde protocolos de ação até orientações sobre biossegurança. Convém destacar que atuar na área da saúde significa ter vocação para cuidar das pessoas, independentemente das razões que as fazem buscar um serviço de saúde.

• As dificuldades causadas pelo desequilíbrio financeiro e pela falta de regularidade em alguns repasses, foram acentuadas pelo momento da pandemia e requer medidas contundentes que visam a perenidade do Hospital São Luiz.

• A Pró-Saúde, em seus mais de 50 anos de atuação, possui um repertório com inúmeros casos em que dificuldades como essas foram superadas. Em todos esses exemplos, porém, a compreensão e a união fizeram a diferença e aceleraram os resultados.

• O Hospital São Luiz é a mais importante unidade de saúde para milhares de pessoas que vivem nos municípios da região do Alto Pantanal e, principalmente, para os habitantes de Cáceres. Todo o trabalho realizado até o momento, visa a perenidade dos serviços do hospital, amparados por um modelo de gestão que prioriza a humanização do atendimento, a qualidade e a segurança dos processos assistenciais.

 

 

 

Vídeo

Voltar Imprimir

Publicidade

Comentários

Enquete

Você acredita na eficácia das barreiras sanitárias implantadas em Cuiabá?

Parcial

Edição digital

Terça-feira, 14/07/2020

imagem
imagem
imagem
imagem
imagem
imagem

Publicidade

btn-4

Indicadores

Milho Disponível R$ 19,85 -0,25%

Algodão R$ 90,18 0,24%

Boi a Vista R$ 129,50 1,34%

Soja Disponível R$ 71,00 0,71%

Publicidade

Classi fácil
btn-loja-virtual

Publicidade

Mais lidas

Publicidade

O Grupo Gazeta reúne veículos de comunicação em Mato Grosso. Foi fundado em 1990 com o lançamento de A Gazeta, jornal de maior circulação e influência no Estado. Integram o Grupo as emissoras Gazeta FM, FM Alta Floresta, FM Barra do Garças, FM Poxoréu, Cultura FM, Vila Real FM, TV Vila Real 10.1, TV Pantanal 22.1, o Instituto de Pesquisa Gazeta Dados, Gráfica Millenium e o Portal Gazeta Digital.

Copyright© 2020 - Gazeta Digital - Todos os direitos reservados Logo Trinix Internet

É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem a devida citação da fonte.