Publicidade

Cuiabá, Terça-feira 15/10/2019

Judiciário - A | + A

empréstimo BIC BANCO 27.08.2019 | 13h58

Justiça nega recurso do MPE para bloqueio de bens de Silval, Maggi e mais 5

Facebook Print google plus
Jessica Bachega e Pablo Rodrigo

redacao@gazetadigital.com.br

Reprodução

Reprodução

A desembargadora Helena Maria Bezerra Ramos, da Primeira Câmara de Direito Público e Coletivo, negou o recurso do Ministério Público Estadual (MPE) para bloqueio de bens do ex-governadores Blairo Maggi e Silval Barbosa, do ex-secretário Eder Moraes, do ex-presidente do BIC Banco, Luiz Cuzziol, e outros 4 acusados de envolvimento em desvio do erário estadual. O MPE tentava reverter decisão da Vara de Ação Civil Pública de Ressarcimento de Dano ao Erário que não atendeu ao pedido de sequestro dos bens.

 

Leia também - Juiz mantém bloqueio de R$ 4 milhões de Maggi, Silval, Riva e mais 7

 

O Ministério Público interpôs o recurso após a decisão de primeiro grau que não reconheceu a necessidade do bloqueio de R$ 529.745,14 para indenização do valor supostamente desviado pelo grupo, por meio de empréstimos fraudulentos junto ao BIC Banco.

 

O juízo da Vara de Ação Civil afirmou que o MPE só apresentou a delação do empresário Gércio Marcelino Mendonça Junior, que confirma os saques e também a movimentação bancária dos acusados, fatores insuficientes para comprovar a improbidade.

 

“Não há, ao menos neste momento processual, a comprovação do proveito obtido pelos demais requeridos em relação ao empréstimo mencionado além das declarações prestadas na colaboração mencionada”, diz trecho da decisão de primeiro grau.

 

O MPE alega que o juízo não considerou todas as provas apresentadas, como o depoimento do ex-governador Silval detalhando as tratativas criminosas e outros indícios fornecidos na ação.

 

A desembargadora pontua que o argumento utilizado pelo MPE não é suficiente e que os desvios não foram comprovados, assim como a incapacidade de os acusados ressarcirem o erário em caso de condenação.

 

“Com essas considerações, indefiro o pedido de efeito ativo formulado pelo Ministério Público”, é a decisão.

 

O caso

São investigados na ação civil, Eder de Moraes Dias, Blairo Borges Maggi, Luis Carlos Cuzziol, José Bezerra Menezes, Lenir Maria de Lima Barros, Ingo Geraldo Gunther, Gemini Projetos Incorporações e Construções Ltda, do ex-prefeito de Cuiabá, Anildo Lima Barros. Todos também são investigados pela Polícia Federal na Operação Ararath.

 

Conforme a ação, Junior Mendonça teria emprestado R$ 529.745,14 à Gemini. Logo a empresa entrou em recuperação judicial e pediu ajuda ao então secretário Éder de Moraes. Moraes o orientou a contrair crédito junto ao Bic Banco, como forma de quitar a pendência que a construtora tinha com Mendonça.

 

Na data o ex-secretário ordenou o empréstimo de R$ 3 milhões, dos quais R$ 529 foram pagos.

Voltar Imprimir

Publicidade

Comentários

Jornal do Meio Dia - JM

Jornal do Meio Dia - JM

GD

GD

Enquete

Ter um diploma leva a uma maior remuneração?

Parcial

Edição digital

Terça-feira, 15/10/2019

imagem
imagem
imagem
imagem
imagem
imagem

Publicidade

btn-4

Indicadores

Milho Disponível R$ 19,80 9,70%

Algodão R$ 90,59 0,72%

Boi a Vista R$ 134,38 0,00%

Soja Disponível R$ 62,50 -2,50%

Publicidade

Classi fácil
btn-loja-virtual

Publicidade

Mais lidas

Publicidade

O Grupo Gazeta reúne veículos de comunicação em Mato Grosso. Foi fundado em 1990 com o lançamento de A Gazeta, jornal de maior circulação e influência no Estado. Integram o Grupo as emissoras Gazeta FM, FM Alta Floresta, FM Barra do Garças, FM Poxoréu, Cultura FM, Vila Real FM, TV Vila Real, o Instituto de Pesquisa Gazeta Dados, Gráfica Millenium e o Portal Gazeta Digital.

Copyright© 2019 - Gazeta Digital - Todos os direitos reservados Logo Trinix Internet

É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem a devida citação da fonte.