Publicidade

Cuiabá, Sábado 31/10/2020

Política de MT - A | + A

Perrengue na Justiça 30.09.2020 | 09h35

TSE nega recurso e mantém condenação que pode deixar Taques inelegível

Facebook Print google plus

José Medeiros/Assessoria

José Medeiros/Assessoria

O ministro do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), Mauro Campbell, negou um recurso do ex-governador e candidato ao Senado, Pedro Taques (SD), que buscava suspender a decisão da Justiça Eleitoral de Mato Grosso, que anotou a sua ‘inelegibilidade’.  Com isso, Taques deverá ter problemas com o seu registro de candidatura, que já teve o pedido de indeferimento por parte do Ministério Público Federal (MPF), e deverá concorrer sub judice.  

 

A defesa de Taques alegava que a anotação de ‘inelegibilidade’ não deveria ocorrer, já que qualquer recurso no TSE teria efeito suspensivo. Ele também afirmou que o caso poderá ser explorado pelos seus adversários e causar constrangimento perante os eleitores. 

 

Leia também - Conheça os 5 candidatos que tentam administrar Cáceres

 

Porém, Campbell negou o recurso alegando que ‘não há como reconhecer ilegalidade ou abuso de poder que justifique a concessão da ordem’.  "Ante o exposto, com base no art. 36, § 6º, do Regimento Interno do Tribunal Superior Eleitoral, negou seguimento ao mandado de segurança", diz trecho da decisão.  

 

Diante da negativa, o Ministério Público Eleitoral (MPE) pediu a impugnação da candidatura ao Senado de Pedro Taques na terça-feira (29).  

 

"De tal sorte, considerando que a decisão proferida pelo colegiado do Tribunal Regional Eleitoral de Mato Grosso condenou o candidato pela prática de conduta vedada aos agentes públicos em campanha eleitoral, aplicando multa eleitoral e tornando-o inelegível pelo prazo não exaurido de 8 anos, a contar da eleição (2018), resta configurado óbice ao registro de candidatura”, diz trecho do pedido.  

 

Taques foi condenado no dia 8 de setembro pelo Pleno do Tribunal Regional Eleitoral de Mato Grosso, por conta da Caravana da Transformação, realizada em 2018, durante período eleitoral. Segundo a denúncia, o programa assistencialista foi uma forma de promoção pessoal e distribuição gratuita de benefícios.

 

Outro lado

Sobre a decisão do TSE, Taques afirmou que não roubou ou cometeu crime algume "o Ministério Público Federal (MPF) entendeu que há uma pendência para ser resolvida junto ao TRE e será resolvida, destaco que não se trata de corrupção ou improbidade".

 

Afirmou ainda que já está recorrendo do pedido protocolado pelo MPF e que "acredito e confio na Justiça Eleitoral e a verdade será restabelecida”.

 

Voltar Imprimir

Publicidade

Comentários

Enquete

Com abertura do comércio, bares, igrejas e retomada de festas, você já retomou à rotina?

Parcial

Edição digital

Sexta-feira, 30/10/2020

imagem
imagem
imagem
imagem
imagem
imagem

Publicidade

btn-4

Indicadores

Milho Disponível R$ 63,20 1,61%

Algodão R$ 129,33 -0,69%

Boi à vista R$ 247,18 0,00%

Soja Disponível R$ 167,25 0,00%

Publicidade

Classi fácil
btn-loja-virtual

Publicidade

Mais lidas

Publicidade

O Grupo Gazeta reúne veículos de comunicação em Mato Grosso. Foi fundado em 1990 com o lançamento de A Gazeta, jornal de maior circulação e influência no Estado. Integram o Grupo as emissoras Gazeta FM, FM Alta Floresta, FM Barra do Garças, FM Poxoréu, Cultura FM, Vila Real FM, TV Vila Real 10.1, TV Pantanal 22.1, o Instituto de Pesquisa Gazeta Dados, Gráfica Millenium e o Portal Gazeta Digital.

Copyright© 2020 - Gazeta Digital - Todos os direitos reservados Logo Trinix Internet

É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem a devida citação da fonte.