Publicidade

Cuiabá, Terça-feira 01/12/2020

Cidades - A | + A

SITUAÇÃO DE ALERTA 13.10.2020 | 17h52

Cinzas de incêndios florestais podem causar mortes de peixes

Facebook Print google plus

Mayke Toscano/Secom-MT

Mayke Toscano/Secom-MT

As cinzas oriundas dos incêndios florestais podem ocasionar a mortandade de peixes, tanto na zona urbana, quanto na zona rural. A partir das primeiras chuvas, o solo é lavado e as cinzas resultantes dos incêndios florestais caem nos rios, córregos e lagos comprometendo a qualidade da água.

 

O coordenador do Laboratório de Qualidade de Água e Ar da Secretaria de Estado de Meio Ambiente, Sérgio Figueiredo, explica que aporte de cinzas na água dos rios pode ocasionar mudanças na sua composição físico química. Em conjunto com os restos de matéria orgânica carreados para os leitos dos cursos d´água, as cinzas podem consumir o oxigênio da água e liberar dióxido de carbono livre, o que que prejudica a respiração de muitas espécies de peixes.

 

Leia também - Profissionais da enfermagem são os mais atingidos pela covid-19 na saúde em MT

 

O excesso de cinzas também pode alterar o pH, fazendo com que a amônia resultante da decomposição da matéria orgânica fique na sua forma mais tóxica. A concentração de sais, como o sódio, também pode ser alterada, influenciando o equilíbrio osmótico da água. Todas estas alterações podem ser danosas e até letais para os peixes.

 

“A água, portanto, está com sua composição físico-química alterada e pode permitir o desenvolvimento de bactérias patogênicas e tóxicas. Não deve ser consumida sem o devido tratamento e o consumo de peixes mortos não é indicado” alerta o analista de meio ambiente.

 

No caso do Pantanal, a coordenadora de Fauna e Recursos Pesqueiros da Secretaria de Estado de Meio Ambiente, Neusa Arenhart, esclarece que o Bioma nunca sofreu um incêndio nessas proporções. “As cinzas não fazem parte do ambiente natural e em contato com a água se tornam tóxicas aos organismos aquáticos, atuando como uma bomba dentro do sistema”, explica.

 

Para a analista, os efeitos das cinzas somados à decoada, que é o processo natural onde ocorre a diminuição do oxigênio na água devido a decomposição de material orgânico e a eutrofização de lagos e baías, poderão levar a uma potencialização no volume de organismos mortos, já que se tratam de duas situações extremas.

 

“As previsões ou os resultados previstos para ambas as situações (de origem natural e antrópica) estarão sobrepostas ou mescladas, pois não é possível identificar ou quantificar os organismos vítimas pela decoada ou pela lixiviação das cinzas”, complementa.

 

Já na zona urbana o desmatamento e degradação de áreas de preservação permanentes (APP´s) aumentam o aporte de cinzas e restos de matéria orgânica na água, já que a mata ciliar, vegetação ao longo das margens, serve de barreira natural e diminui o efeito do carreamento de sedimentos do solo causado pelas chuvas.

Voltar Imprimir

Publicidade

Comentários

Enquete

Com o resultado da eleição, você acredita em uma Cuiabá melhor a partir de 2021

Parcial

Edição digital

Terça-feira, 01/12/2020

imagem
imagem
imagem
imagem
imagem
imagem

Publicidade

btn-4

Indicadores

Milho Disponível R$ 61,00 -0,81%

Algodão R$ 127,44 0,81%

Boi à vista R$ 254,60 0,64%

Soja Disponível R$ 154,00 -3,75%

Publicidade

Classi fácil
btn-loja-virtual

Publicidade

Mais lidas

Publicidade

O Grupo Gazeta reúne veículos de comunicação em Mato Grosso. Foi fundado em 1990 com o lançamento de A Gazeta, jornal de maior circulação e influência no Estado. Integram o Grupo as emissoras Gazeta FM, FM Alta Floresta, FM Barra do Garças, FM Poxoréu, Cultura FM, Vila Real FM, TV Vila Real 10.1, TV Pantanal 22.1, o Instituto de Pesquisa Gazeta Dados, Gráfica Millenium e o Portal Gazeta Digital.

Copyright© 2020 - Gazeta Digital - Todos os direitos reservados Logo Trinix Internet

É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem a devida citação da fonte.