Publicidade

Cuiabá, Terça-feira 27/10/2020

Política de MT - A | + A

Resquícios DE 2018 30.09.2020 | 11h10

Juiz nega quebra de sigilo bancário de Carlos Bezerra em investigação eleitoral

Facebook Print google plus

Otmar de Oliveira

Otmar de Oliveira

O juiz-membro do Tribunal Regional Eleitoral de Mato Grosso (TRE), Gilberto Bussiki, negou o pedido de quebra de sigilo bancário e fiscal do deputado federal Carlos Bezerra (MDB) e das empresas que forneceram materiais para a sua campanha de 2018.  

 

O parlamentar responde por uma representação da Procuradoria Regional Eleitoral (PRE) por suposta arrecadação e gastos ilícitos de recursos na campanha eleitoral de 2018, e por isso, pediu a quebra do sigilo. Porém, o magistrado afirmou que a quebra de sigilo só deve ser concedida em casos excepcionais.

 

Bussiki ainda afirmou que as oitivas realizadas "não despontaram episódios e/ou nexo de causalidade entre o fato e o meio de prova, que justifiquem a investigação através de uma medida excepcional que é a quebra de sigilo bancário. (...) Pelo contrário, percebeu-se no curso da instrução processual um espírito colaborativo proveniente dos principais fornecedores da campanha eleitoral, que apresentaram ao juízo cópia dos contratos firmados com o representado e com partido de sua base política, bem ainda os documentos fiscais referentes aos gastos de campanha 2018", diz trecho da decisão do dia 28 de setembro.  

 

Leia também - TSE nega recurso e mantém condenação que pode deixar Taques inelegível

 

O magistrado completa afirmando que, apesar de malversação na arrecadação e nos gastos realizados no pleito 2018 por Bezerra, "não visualizo circunstâncias aptas a ensejar a determinação deste meio excepcional de prova, o que denota a prescindibilidade da medida", pontuou.  

 

Na representação do Ministério Público Eleitoral (MPE), revela que Carlos Bezerra declarou o total de recursos recebidos de R$ 1,8 milhão e despesas contratadas de R$ 1,7 milhão. De acordo com o parecer técnico conclusivo da Coordenadoria de Controle Interno e Auditoria do Tribunal Regional Eleitoral (CCIA/TRE), o candidato eleito apresentou a prestação de contas com graves infrações de arrecadação e gastos de recursos.

 

Entre as irregularidades, destacam-se o número de pessoas ligadas à campanha e não declaradas, veículos e abastecimentos não contabilizados, além da malversação de recursos públicos oriundos do Fundo Especial de Financiamento de Campanha (FEFC).

 

Nesse sentido, a Procuradoria Regional Eleitoral destaca que “o representado incorreu em graves infrações na arrecadação e gastos de recursos, com destaque ao expressivo número de cabos eleitorais, veículos e abastecimentos não contabilizados, ademais da aplicação irregular de R$ 293.916,68 do FEFC”.

 

Na prestação de contas à Justiça Eleitoral, o candidato não apresentou os devidos esclarecimentos no momento oportuno. Agora, a matéria será aprofundada em novo processo, que pode culminar com a cassação do mandato.  (Com informações da Assessoria)

Voltar Imprimir

Publicidade

Comentários

Enquete

Com abertura do comércio, bares, igrejas e retomada de festas, você já retomou à rotina?

Parcial

Edição digital

Terça-feira, 27/10/2020

imagem
imagem
imagem
imagem
imagem
imagem
imagem

Publicidade

btn-4

Indicadores

Milho Disponível R$ 61,50 0,82%

Algodão R$ 126,85 1,32%

Boi à vista R$ 247,18 2,04%

Soja Disponível R$ 163,50 1,24%

Publicidade

Classi fácil
btn-loja-virtual

Publicidade

Mais lidas

Publicidade

O Grupo Gazeta reúne veículos de comunicação em Mato Grosso. Foi fundado em 1990 com o lançamento de A Gazeta, jornal de maior circulação e influência no Estado. Integram o Grupo as emissoras Gazeta FM, FM Alta Floresta, FM Barra do Garças, FM Poxoréu, Cultura FM, Vila Real FM, TV Vila Real 10.1, TV Pantanal 22.1, o Instituto de Pesquisa Gazeta Dados, Gráfica Millenium e o Portal Gazeta Digital.

Copyright© 2020 - Gazeta Digital - Todos os direitos reservados Logo Trinix Internet

É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem a devida citação da fonte.