Publicidade

Cuiabá, Sábado 07/12/2019

Cidades - A | + A

NO RIO COXIPÓ 11.11.2019 | 07h13

Em vídeo, cuiabano reclama de abandono em ponte histórica

Facebook Print google plus

Reprodução

Reprodução

Tombada como patrimônio histórico de Cuiabá, a ponte de ferro sobre o rio Coxipó está às moscas. Revitalizada em 2017, pela prefeitura de Cuiabá, a estrutura usada para travessia de pedestres na avenida Fernando Correa da Costa está com vários vãos devido a remoção de tabuas e metal enferrujado.

 

Leia também -Testemunha nega ligação entre tortura e morte de Rodrigo Claro

 

Em vídeo, José Antônio Bispo, o “Boia Cuiabano”, reclama do descaso com o patrimônio. A denúncia foi publicada no dia 1º e mostra a atual condição da famosa ponte.

 

“Olha como essa ponte está feia, abandonada. Só o buraco. Era bonita quando estava reformada. Agora está perigoso. Se não tomar cuidado, você cai lá embaixo”, diz o autor da filmagem, enquanto mostra os problemas do local.

Inaugurada em 1897, a ponte veio da Inglaterra para Cuiabá. O material é o mesmo da Torre Eiffel, em Paris, e a travessia foi usada por muitos anos por quem precisava sair de Cuiabá e viajar a outras partes do país.

 

A ponte foi desativada nos anos 1980 e transformada em patrimônio histórico em 1984. Desde então, fica à disposição dos pedestres. Logo ao lado, foi construída uma ponte de concreto, na Avenida Fernando Correa, para que veículos pudessem atravessar o rio.

 

Em 1995, a ferragem da ponte foi carregada por uma grande enchente que atingiu Cuiabá e por uma década, sua estrutura ficou submersa no Rio Coxipó. Até que em 2006, a prefeitura de Cuiabá decidiu resgatá-la.

 

A ponte foi totalmente restaurada e entregue à população em 2009, respeitando a arquitetura original. A última reforma no local foi em 2017, no entanto, 2 anos depois, o local já está danificado e coloca em risco a segurança de quem visita o ponto histórico e se arrisca a atravessá-la.

 

Outro lado
A Prefeitura de Cuiabá foi procurada e informou que irá providenciar reparos no local.

 

Confira a nota na íntegra 

"Um engenheiro-fiscal fará a vistoria em toda a estrutura.

- A visita in loco é necessária para fazer o levantamento exato da situação e definir as medidas a serem adotadas para solucionar as situações.

- A partir do relatório, a Secretaria de Obras Públicas conseguirá determinar qual o aporte financeiro necessário para aplicar no serviço de reparo.

- Com as informações levantadas, dará andamento ao processo de aquisição dos materiais para executar o trabalho de restauração".

Voltar Imprimir

Publicidade

Comentários

TEDA - 11/11/2019

QUANDO É ASSIM OS ORGÃOS DE GOVERNO SEGUEM A MESMA TEMATICA, DEIXAR AS ABRAS SE ACABAREM PRIMEIRO, PRA FAZER LICITAÇÃO DEPOIS, AI VAI GASTAR UMA FORTUNA POIS SABEMOS QUE OBRAS DE GOVERNO SÓ SE FALA EM MILHÕES, SENDO QUE MEIA DUZIA DE TABUAS RESOLVERIA O PROBLEMA

1 comentários

1 de 1

Jornal do Meio Dia - JM

Jornal do Meio Dia - JM

Enquete

Qual palavra define melhor o ano de 2019 no Brasil?

Parcial

Edição digital

Sábado, 07/12/2019

imagem
imagem
imagem
imagem
imagem
imagem

Publicidade

btn-4

Indicadores

Milho Disponível R$ 17,90 1,70%

Algodão R$ 115,18 1,08%

Boi a Vista R$ 132,44 -0,41%

Soja Disponível R$ 65,25 0,23%

Publicidade

Classi fácil
btn-loja-virtual

Publicidade

Mais lidas

Publicidade

O Grupo Gazeta reúne veículos de comunicação em Mato Grosso. Foi fundado em 1990 com o lançamento de A Gazeta, jornal de maior circulação e influência no Estado. Integram o Grupo as emissoras Gazeta FM, FM Alta Floresta, FM Barra do Garças, FM Poxoréu, Cultura FM, Vila Real FM, TV Vila Real, o Instituto de Pesquisa Gazeta Dados, Gráfica Millenium e o Portal Gazeta Digital.

Copyright© 2019 - Gazeta Digital - Todos os direitos reservados Logo Trinix Internet

É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem a devida citação da fonte.