Publicidade

Cuiabá, Quarta-feira 11/12/2019

Política de MT - A | + A

prefeito acusa 04.12.2019 | 10h54

Botelho cita criação de comissão para acompanhar denúncia

Facebook Print google plus

Fablício Rodrigues/AL-MT

Fablício Rodrigues/AL-MT

Presidente da Assembleia Legislativa, Eduardo Botelho (DEM) descartou a criação de uma CPI para investigar a denúncia feita pelo prefeito Emanuel Pinheiro (MDB) de que estaria sendo vítima do uso político da Delegacia Fazendária (Defaz) de Mato Grosso. Segundo o chefe do Executivo, ele está sendo investigado a pedido do governador Mauro Mendes (DEM).

 

"Não tem necessidade de CPI, não tem fundamentos para se criar uma CPI. Para isso, teria que ter argumentos e fatos concretos e isso não tem. Então não vejo necessidade", disse Botelho nesta quarta-feira (4). 

 

Leia também - STJ julga afastamento de conselheiros do TCE nesta quarta-feira

 

Segundo Botelho, a tendência é se criar uma comissão de parlamentares para acompanhar a denúncia realizada na Defaz de que Emanuel Pinheiro teria comprado vereadores para votar a favor cassação do seu oposicionista, vereador Abílio Júnior (PSC).

 

"Ele (Emanuel Pinheiro) diz que supostamente recebeu informações de que a Defaz estava sendo modificada porque os delegados estavam sendo remanejados por se recusarem de investigar ele e a administração dele. Mas sem nenhuma prova, apenas relato. Não deu nomes", explicou o chefe do Legislativo ao citar a denúncia. 

 

"A Assembleia só pode acompanhar e ver como se dará isso. Provavelmente vou criar uma comissão para acompanhar, é o que podemos fazer. Não acredito que a Defaz está sendo usada. Hoje a polícia é completamente livre e independente", completou Eduardo Botelho ainda disse que discutirá denúncia com a procuradoria Legislativa e que encaminhará uma cópia da denúncia para os demais deputados analisarem. 

 

Porém, a criação da comissão ficará para a próxima semana. 

 

Denúncia 

Na denúncia, Emanuel Pinheiro afirma que o delegado-geral da Polícia Civil, Mário Demerval, pressionou os delegados da Defaz, Anderson Veiga e Lindomar Toffoli, para “agilizar” a investigação sobre a suposta compra de votos dos vereadores na casa de Juca do Guaraná (Avante).

 

Emanuel entregou a denúncia ao presidente e vice-presidente da Assembleia, Eduardo Botelho (DEM) e Janaina Riva (MDB). As informações preliminares são de que depois do “pedido” de Demerval, os delegados alegaram não ter provas concretas que subsidiem uma investigação e sofreram sanções por causa da negativa, pois o pedido, segundo Emanuel Pinheiro, partiu do governador Mauro Mendes (DEM). 

 

Denúncia de compra de votos 

A investigação citada por Pinheiro é decorrente da denúncia de uma servidora pública, que afirmou que os vereadores da base do prefeito se reuniram na casa do Juca do Guaraná para negociar a cassação de Abílio Junior (PSC), com pagamento de propina em dinheiro. (Colaborou Thalyta Amaral)

Voltar Imprimir

Publicidade

Comentários

Jornal do Meio Dia - JM

Jornal do Meio Dia - JM

Enquete

Sobre o aumento no número de casamentos gays no Brasil no último ano

Parcial

Edição digital

Quarta-feira, 11/12/2019

imagem
imagem
imagem
imagem
imagem
imagem

Publicidade

btn-4

Indicadores

Milho Disponível R$ 20,80 -0,24%

Algodão R$ 92,23 0,03%

Boi a Vista R$ 136,50 0,00%

Soja Disponível R$ 65,15 0,23%

Publicidade

Classi fácil
btn-loja-virtual

Publicidade

Mais lidas

Publicidade

O Grupo Gazeta reúne veículos de comunicação em Mato Grosso. Foi fundado em 1990 com o lançamento de A Gazeta, jornal de maior circulação e influência no Estado. Integram o Grupo as emissoras Gazeta FM, FM Alta Floresta, FM Barra do Garças, FM Poxoréu, Cultura FM, Vila Real FM, TV Vila Real, o Instituto de Pesquisa Gazeta Dados, Gráfica Millenium e o Portal Gazeta Digital.

Copyright© 2019 - Gazeta Digital - Todos os direitos reservados Logo Trinix Internet

É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem a devida citação da fonte.