Publicidade

Cuiabá, Quinta-feira 29/10/2020

Entrevista da Semana - A | + A

pesquisas para doença 17.05.2020 | 11h50

Em crise, UFMT tenta equilibrar contas e enfrentar covid-19

Facebook Print google plus

Chico Ferreira

Chico Ferreira

Reitor da UFMT

O congelamento no repasse do governo federal destinado à Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT), no valor de R$ 35 milhões, levou a instituição pública à diversas crises financeiras e internas em 2019.


Após tentar se recuperar da renúncia da ex-reitora Myrian Serra, em fevereiro deste ano, mais uma vez a universidade se viu diante de uma adversidade: a pandemia do novo coronavírus. As aulas estão suspensas desde março, como medida de prevenção à doença.


Em entrevista do , o reitor Evandro Soares relata as alternativas que a UFMT vem tomando para equilibrar as contas e lidar com a pandemia, além da retomada das aulas por ensino à distância.

 

Leia também - Procons recomendam que escolas particulares negociem contratos com consumidores

 

De cabeça erguida, a instituição está apenas com as aulas suspensas, no entanto, professores e alunos continuam trabalhando e desenvolvendo pesquisas, até mesmo para o enfrentamento da covid-19 e prestação de serviço à comunidade.


- Diante da pandemia do coronavírus, o calendário da UFMT foi suspenso. A universidade estava enfrentando uma crise financeira, especialmente quando a luz foi cortada, em julho do ano passado. Com a suspensão, quanto a instituição pública economizou?
Desde o início desta gestão, em 2 de março deste ano, todas as contas estão sendo pagas nos devidos prazos. Vale lembrar que trabalhamos, até o momento, com um orçamento inicialmente 43% menor do que no ano passado, o que impacta diretamente no desenvolvimento de nossas ações. É fato que tivemos algumas reduções em virtude da pandemia, mas não há como precisar o total porque, infelizmente, ainda estamos nesta situação alarmante e sem uma perspectiva concreta de retomada completa das atividades de modo presencial.

 

No entanto, é importante dizer que a UFMT não está de portas fechadas. Há, por exemplo, laboratórios que demandam energia elétrica, produtos e serviços de limpeza, essenciais no combate à pandemia, bem como também temos servidores e colaboradores terceirizados atuando nos serviços essenciais.


- A universidade chegou a sofrer ameaça ou até mesmo cortes nesse período de pandemia?

Otmar de Oliveira

UFMT

 

Nenhuma.


- Foi sugerido pelo Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão (Consepe) a possibilidade de retomar as aulas por ensino à distância. Contudo, a sugestão foi amplamente discutida, porque muitos alunos ou professores não têm condições de acompanhar as aulas on-line. O ensino à distância ainda será realizado?

A deliberação da flexibilização dos conteúdos curriculares a partir das Tecnologias da Informação e Comunicação (TICs), que possui diferenças da Educação à Distância (EaD), deve ser feita única e exclusivamente dentro do Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão e ser aplicada neste momento de pandemia. Em reunião extraordinária, os conselheiros, que representam as unidades e segmentos da UFMT, optaram por retirar o assunto da pauta e levar a discussão para os colegiados de curso. A deliberação sobre quais caminhos a UFMT irá tomar durante a pandemia será feita após esta análise e a decisão do Consepe, que é colegiada, será respeitada.


- Há quase um mês com as atividades suspensas, existe um prazo para retomar as aulas?
É importante salientar que as atividades na UFMT não estão suspensas. O Consepe decidiu suspender as aulas presenciais por tempo indeterminado. Estamos trabalhando e muito no enfrentamento à pandemia com diversas ações e em diferentes áreas, englobando todos os câmpus.


Só para se ter a dimensão do importante trabalho prestado pelas Universidades Federais durante a pandemia, uma pesquisa da Andifes apontou que os Hospitais Universitários (como o Júlio Müller, que é referência no Estado no enfrentamento à Covid-19), disponibilizaram 2.228 leitos normais para tratamento da pandemia e 489 leitos de UTI; que as Universidades estão realizando 823 pesquisas sobre o tema; 96 ações de produção de álcool e produtos sanitizantes, totalizando, até o momento 992.828 litros de álcool gel e 912 mil litros de álcool líquido; 104 ações de produção de Equipamentos de Proteção Individual (EPI), totalizando, até o momento, 162.964 protetores faciais, 85.514 máscaras de pano, 20.200 unidades diversas, 6 mil aventais e 2 mil capuzes; realizaram 55.001 testes PCR, 697 campanhas educativas, 341 ações solidárias e outras 287 ações expressivas; por fim, foram realizadas 198 parcerias com prefeituras e 79 com governos estaduais.


A UFMT está incluída neste cenário. Brevemente lançaremos uma grande produção de álcool gel dentro do câmpus de Cuiabá, que totalizará 50 mil litros a serem distribuídos nos câmpus da UFMT, na Universidade Federal de Rondonópolis, no Hospital Universitário Júlio Müller e também à população carente.

 

Já lançamos manuais de orientação para escolher alimentos, para lidar com a ansiedade, dentre outros; realizamos atendimento via call center para acabar com as fake news; lançamos um livro digital sobre o coronavírus que está ajudando as famílias nesta época de pandemia e foi traduzido para o espanhol, para o inglês e ganhou uma versão em Libras; realizamos testagens PCR em Cuiabá e Sinop. Todas nossas ações estão registradas na página especial sobre a Covid-19 www.ufmt.br/covid


- Quais atividades estão suspensas? A fazenda da UFMT e Hospital Veterinário estão fechados?
As atividades presenciais de ensino estão suspensas por decisão do Consepe. Na Fazenda Experimental e no Hospital Veterinário, as ações de pesquisa e extensão continuam sendo realizadas, bem como em nossos laboratórios em todos os câmpus. Os espaços culturais, por exemplo, estão fechados para evitar aglomeração, mas as atividades continuam sendo realizadas em plataformas digitais. É falsa a ideia de que a UFMT está parada, basta ver tudo o que foi dito nesta entrevista. Contra fatos não há argumentos.

Chico Ferreira

UFMT

 


- O Ministério Público determinou abertura de inquérito para apurar o contrato da UFMT com a empresa Novo Sabor, que administra o Restaurante Universitário (RU). Esse contrato será refeito?
O contrato com a Novo Sabor foi encerrado, uma nova licitação foi feita e a nova empresa já iniciou suas atividades.

 

- As aulas estão suspensas, no entanto, professores, alunos e pesquisadores continuam desenvolvendo estudos, especialmente sobre o coronavírus. Como está a distribuição de verbas para as pesquisas neste momento? Existe pesquisa para desenvolvimento de vacina ou tratamento?
Na área da pesquisa temos docentes trabalhando em um estudo sobre a resposta imunodeficiente ao coronavírus. O trabalho ajudará no protocolo de terapia e no desenvolvimento de vacinas. Há também um estudo da análise sorológica dos pacientes que mesmo em situação crítica não apresentam um resultado positivo.


Para além da pesquisa, a Pró-reitoria de Cultura, Extensão e Vivência (Procev), por meio da Coordenação de Extensão (Codex), lançou dois editais para auxiliar o fluxo de trabalhos e de recursos nas ações de enfrentamento à pandemia. O primeiro foi uma chamada pública para a doação de recursos financeiros, materiais/produtos e/ou serviços para serem utilizados no segundo, que é um edital de fluxo contínuo para ações para o enfrentamento à covid-19.

 

- O Campus Cuiabá era um centro de atividade física dos cuiabanos, mas teve que restringir o acesso por conta da aglomeração. Existe previsão de quando poderá ser aberto?
Estamos seguindo as orientações da Organização Mundial da Saúde (OMS), do nosso comitê de enfrentamento à covid-19, parceiro de primeira hora em qualquer tomada de decisão neste momento, bem como as resoluções do Ministério da Saúde, Ministério da Educação, Governo do Estado e Prefeitura. Nosso acesso segue restrito, tendo em vista a baixa circulação no câmpus e, até a determinação de reabertura, permanecerá assim.

Voltar Imprimir

Publicidade

Comentários

Docente UFMT - 17/05/2020

Campus UFMT Cuiabá fechado e com baixa circulação? Kkkk, piada né? Vá com a reportagem lá, umas 17hs, 18hs que vcs verão que isso é uma baita mentira! Pessoas aos montes caminhando e correndo, além de muitos carros estacionados na entrada da guarita. As pessoas estão ali fazendo exercício e trabalhando. Enfim, pura hipocrisia....

1 comentários

1 de 1

Enquete

Com abertura do comércio, bares, igrejas e retomada de festas, você já retomou à rotina?

Parcial

Edição digital

Quarta-feira, 28/10/2020

imagem
imagem
imagem
imagem
imagem
imagem

Publicidade

btn-4

Indicadores

Milho Disponível R$ 61,70 0,16%

Algodão R$ 130,32 1,33%

Boi à vista R$ 247,18 0,00%

Soja Disponível R$ 167,00 1,21%

Publicidade

Classi fácil
btn-loja-virtual

Publicidade

Mais lidas

Publicidade

O Grupo Gazeta reúne veículos de comunicação em Mato Grosso. Foi fundado em 1990 com o lançamento de A Gazeta, jornal de maior circulação e influência no Estado. Integram o Grupo as emissoras Gazeta FM, FM Alta Floresta, FM Barra do Garças, FM Poxoréu, Cultura FM, Vila Real FM, TV Vila Real 10.1, TV Pantanal 22.1, o Instituto de Pesquisa Gazeta Dados, Gráfica Millenium e o Portal Gazeta Digital.

Copyright© 2020 - Gazeta Digital - Todos os direitos reservados Logo Trinix Internet

É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem a devida citação da fonte.