Publicidade

Cuiabá, Quinta-feira 29/10/2020

Judiciário - A | + A

COT DO PARI 07.02.2020 | 14h40

MP denuncia ex-Secopa, empresas e quer reaver R$ 5 milhões

Facebook Print google plus

Marcus Vaillant

Marcus Vaillant

O Ministério Público de Mato Grosso (MPE ingressou com uma ação civil contra o ex-secretário da Secopa, Maurício Guimarães, as empresas do Consórcio Barra do Pari -  Engeglobal Construções LTDA, Três Irmãos Engenharia LTDA e Valor Engenharia LTDA -  para que devolvam quase R$ 4.992.124,31 aos cofres públicos, por conta do atraso e abandono das obras do Centro de Oficial de Treinamento (COT) Barra do Pari, em Várzea Grande.

 

A obra contratada por mais de R$ 25 milhões era prevista para a Copa do Mundo de 2014, para que as seleções que jogaram em Cuiabá pudesse treinar. Porém, após  quase 6 anos do mundial a obra ainda não foi concluída. 

 

De acordo com a ação assinada pelo promotor de Justiça Jorge Paulo Pereira, o pedido de condenação seria por conta de supostas vantagem econômica obtida pelas empresas e pela má qualidade dos materiais e da execução da obra.

 

Leia também -  Selma diz que Medeiros se filiará ao Aliança, para justificar apoio a Pivetta

 

O MPE ainda alega que apenas 69,75% da obra foi realizada, e, que foi saqueada e depredada, "em razão da paralisação dos serviços, que deixou a obra desprovida de segurança, ainda, mesmo que notificado, o Consórcio do Pari não tomou as providências necessárias para evitar tais ocorrências".

 

"Em razão da demora na execução da obra, que excedeu o prazo contratual inicial e os aditivos de contrato, o Centro de Treinamento não foi entregue, nem para os jogos e nem para a população, tratando-se, atualmente, de um local com obra inacabada e alvo de depredação", diz trecho do documento. 

 

O MPE ainda afirma que Maurício Guimarães cometeu improbidade ao autorizar o pagamento das medições da obra que não foram implantados. "De igual modo, os fiscais de contrato, quais possuíam dever legal, não verificaram as mencionadas irregularidades",  alegou o promotor. 

 

Também foram denunciados Marcos Aurélio Ramos de Oliveira, Fernando Roberio de Borges Garcia, Pedro Augusto Moreira da Silva, Giovana Cocco Rubin Dias de Almeida e os fiscais de contrato Jorge Henrique Bedin e Julia Martinaitis Gonçalves.

Voltar Imprimir

Publicidade

Comentários

Enquete

Com abertura do comércio, bares, igrejas e retomada de festas, você já retomou à rotina?

Parcial

Edição digital

Quinta-feira, 29/10/2020

imagem
imagem
imagem
imagem
imagem
imagem

Publicidade

btn-4

Indicadores

Milho Disponível R$ 61,70 0,16%

Algodão R$ 130,32 1,33%

Boi à vista R$ 247,18 0,00%

Soja Disponível R$ 167,00 1,21%

Publicidade

Classi fácil
btn-loja-virtual

Publicidade

Mais lidas

Publicidade

O Grupo Gazeta reúne veículos de comunicação em Mato Grosso. Foi fundado em 1990 com o lançamento de A Gazeta, jornal de maior circulação e influência no Estado. Integram o Grupo as emissoras Gazeta FM, FM Alta Floresta, FM Barra do Garças, FM Poxoréu, Cultura FM, Vila Real FM, TV Vila Real 10.1, TV Pantanal 22.1, o Instituto de Pesquisa Gazeta Dados, Gráfica Millenium e o Portal Gazeta Digital.

Copyright© 2020 - Gazeta Digital - Todos os direitos reservados Logo Trinix Internet

É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem a devida citação da fonte.