Publicidade

Cuiabá, Quarta-feira 30/09/2020

Judiciário - A | + A

PERSEGUIÇÃO POLÍTICA 17.12.2019 | 18h17

Delegado recorre à Justiça para retornar para a Defaz

Facebook Print google plus

Reprodução

Reprodução

O delegado da Polícia Civil, Lindomar Tofoli, ingressou com mandado de segurança no Tribunal de Justiça (TJ) contra a portaria que o transferiu da Delegacia Especializada em Crimes Fazendários e Contra a Administração Pública (Defaz-MT), para a Delegacia de Polícia de Várzea Grande.

 

O mandado é da última sexta-feira (13). A defesa do delegado ainda destaca a atuação de Tofoli em diversas operações, como Sodoma, Especialista, Ippon e Sangria. Por estar à frente dessas investigações, ele teria sofrido perseguição política, uma vez que os acusados se sentiram prejudicados com o andamento delas.

 

Leia também - Polícia Civil remove delegados e nega relação com denúncia

 

A ação narra que Tofoli estava lotado na Diretoria de Atividades Especiais da Defaz desde 2008, quando foi transferido em 2015 para a Delegacia de Entorpecentes, por pressão do então governador Silval Barbosa (MDB).

 

A perseguição voltou à tona, conforme diz a defesa, a partir de uma nova denúncia do prefeito Emanuel Pinheiro (MDB), que relata que o delegado teria recebido a incumbência de “incriminá-lo”. Além de Lindomar, outro delegado envolvido seria Anderson Veiga.

 

A denúncia foi feita com base em um boletim de ocorrência da servidora da saúde Elizabete Maria de Almeida, que acusou Pinheiro de pagar propina para vereadores votarem pela cassação de Abílio Júnior (PSC).

 

Para Tofoli, sua transferência não tem legalidade técnica, tampouco fundamentação. “Mesmo após anos à frente da Delegacia Fazendária do Estado de Mato Grosso, o que lhe rendeu uma vasta experiência no combate aos crimes de colarinho branco, mais uma vez se vê submetido a uma remoção, a despeito da existência de qualquer motivação”, diz trecho.

 

Além disso, as portarias que derrubaram sua atuação na Defaz não apresentam motivos para a transferência. “Como na hipótese, de remoção de servidor público ocupante do cargo de delegado de polícia, a motivação do ato de deslocamento ganha especial relevo. Com efeito, para que o Estado promova investigações isentas e imparciais é imprescindível que a autoridade policial não atue sob o temor de represálias ou interferências externas”.

 

A defesa de Tofoli ainda pede que a portaria seja suspensa.

Voltar Imprimir

Publicidade

Comentários

Enquete

Na sua opinião, por que tantos candidatos milionários querem entrar na política?

Parcial

Edição digital

Quarta-feira, 30/09/2020

imagem
imagem
imagem
imagem
imagem
imagem

Publicidade

btn-4

Indicadores

Milho Disponível R$ 24,00 -0,41%

Algodão R$ 117,52 1,06%

Boi a Vista R$ 135,00 0,00%

Soja Disponível R$ 68,90 -1,57%

Publicidade

Classi fácil
btn-loja-virtual

Publicidade

Mais lidas

Publicidade

O Grupo Gazeta reúne veículos de comunicação em Mato Grosso. Foi fundado em 1990 com o lançamento de A Gazeta, jornal de maior circulação e influência no Estado. Integram o Grupo as emissoras Gazeta FM, FM Alta Floresta, FM Barra do Garças, FM Poxoréu, Cultura FM, Vila Real FM, TV Vila Real 10.1, TV Pantanal 22.1, o Instituto de Pesquisa Gazeta Dados, Gráfica Millenium e o Portal Gazeta Digital.

Copyright© 2020 - Gazeta Digital - Todos os direitos reservados Logo Trinix Internet

É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem a devida citação da fonte.