Publicidade

Cuiabá, Sábado 14/12/2019

Judiciário - A | + A

'NOVO CANGAÇO' 15.08.2019 | 17h11

STF anula julgamento do líder de assaltos a bancos em MT

Facebook Print google plus

Divulgação

Divulgação

O ministro do Supremo Tribunal Federal, Celso de Mello, acatou habeas corpus e anulou a condenação de Lindomar Alves de Almeida, acusado de ser líder de uma poderosa organização criminosa que atua no Estado de Mato Grosso em assaltos a bancos e carros-fortes, em uma modalidade chamada “Novo Cangaço”.

 

A decisão, proferida nesta quinta-feira (15), determina um novo julgamento para Lindomar, conhecido por “Nenezão”. O criminoso foi condenado em 2015 a 35 anos de prisão.

 

O habeas corpus apresentado pela defesa de Lindomar afirma que houve ausência do defensor público, responsável pela condução do caso na época, durante o julgamento da apelação de Nenezão no Tribunal de Justiça.

 

Leia também - STF notifica AL e governo sobre alterações dos limites territoriais na Baixada Cuiabana

 

“Cumpre rememorar, por oportuno, que o próprio ordenamento positivo brasileiro torna imprescindível a intimação pessoal do defensor nomeado dativamente e reafirma a indispensabilidade da pessoal intimação dos Defensores Públicos em geral”, diz trecho do HC.

 

O ministro Celso de Mello, ao analisar o caso, afirmou que o “próprio ordenamento positivo brasileiro torna imprescindível a intimação pessoal do defensor”. Em razão disso, o ministro ainda corrobora que o STF “reconhece que a falta de intimação pessoal, nas hipóteses legais referidas, qualifica-se como causa geradora de nulidade processual absoluta”.

 

“A exigência de intimação pessoal do Defensor Público e do Advogado dativo, notadamente em sede de persecução penal, atende a uma imposição que deriva do próprio texto da Constituição da República, no ponto em que o nosso estatuto fundamental estabelece, em favor de qualquer acusado, o direito à plenitude de defesa em procedimento estatal que respeite as prerrogativas decorrentes da cláusula constitucional do 'due process of law'”, escreveu o ministro.

 

Após acatar o habeas corpus, Celso de Mello invalida a apelação de Lindomar na Segunda Câmara do Tribunal de Justiça. Além disso, após a regulamentação da intimação do defensor público, um novo julgamento será marcado.

 

O caso

Apontado em mais de 20 roubos a bancos no Estado de Mato Grosso, Lindomar Alves de Almeida, 31 anos, conhecido por "Nenezão", foi preso no dia 31 de novembro de 2012, em um quarto de hotel, no município de Feira de Santana, na Bahia, em ação conjunta da Polícia Judiciária Civil de Mato Grosso com a Polícia Civil baiana, na operação denominada "Lampião". Ele era procurado por várias polícias civis brasileiras e pela Polícia Federal.

 

Lindomar encontra-se preso no presídio federal de Catanduvas (PR) desde setembro de 2014, onde cumpre pena por envolvimento em mais de 20 roubos a banco em Mato Grosso e outros 6 estados.

Voltar Imprimir

Publicidade

Comentários

Jornal do Meio Dia - JM

Jornal do Meio Dia - JM

Enquete

Qual sua opinião sobre a propaganda partidária em rádio e TV?

Parcial

Edição digital

Sábado, 14/12/2019

imagem
imagem
imagem
imagem
imagem
imagem

Publicidade

btn-4

Indicadores

Milho Disponível R$ 19,85 0,51%

Algodão R$ 92,91 0,53%

Boi a Vista R$ 135,50 0,00%

Soja Disponível R$ 68,20 0,07%

Publicidade

Classi fácil
btn-loja-virtual

Publicidade

Mais lidas

Publicidade

O Grupo Gazeta reúne veículos de comunicação em Mato Grosso. Foi fundado em 1990 com o lançamento de A Gazeta, jornal de maior circulação e influência no Estado. Integram o Grupo as emissoras Gazeta FM, FM Alta Floresta, FM Barra do Garças, FM Poxoréu, Cultura FM, Vila Real FM, TV Vila Real, o Instituto de Pesquisa Gazeta Dados, Gráfica Millenium e o Portal Gazeta Digital.

Copyright© 2019 - Gazeta Digital - Todos os direitos reservados Logo Trinix Internet

É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem a devida citação da fonte.