Publicidade

Cuiabá, Domingo 08/12/2019

Política de MT - A | + A

67 dias de greve 01.08.2019 | 13h37

Governo promete pagar salários cortados para servidores que voltarem ao trabalho

Facebook Print google plus

Marcus Vaillant

Marcus Vaillant

O governo do Estado anunciou que pagará os salários cortados dos servidores da educação que já voltaram aos trabalhos. O pagamento será feito em uma folha suplementar até 10 de agosto. Já para os grevistas que retornarem às escolas até segunda-feira (5), os dias descontados serão pagos em 15 e 30 de agosto.

 

“O pagamento do ponto cortado dos servidores, que já retornaram ao trabalho, será pago mediante compromisso de reposição dos dias de greve”, disse a secretária de Estado de Educação, Marioneide Kliemaschewsk.

 

Segundo a secretária, quem não voltar ao trabalho continuará com o corte no salário, conforme determinação do Tribunal de Justiça de Mato Grosso (TJ) e do Supremo Tribunal Federal (STF).

 

Leia também - TJ declara greve ilegal e dá 72 horas para retorno das aulas

 

Em greve desde 27 de maio, ou seja, há 67 dias, os servidores reivindicam o cumprimento da lei 510/2013, que fala sobre a dobra do poder de compra da categoria até 2024. De acordo com o governo, a maior parte das pautas já foi atendida, como o pagamento proporcional de férias para os contratados, que custará R$ 52 milhões.

 

Outra reivindicação atendida pelo governo é o chamamento do cadastro de reserva do concurso público de 2017, que vai contemplar vários municípios de Mato Grosso. Serão chamados 681 profissionais para atuarem em várias escolas estaduais, sendo 221 professores, 300 apoios administrativos e 160 técnicos administrativos educacionais.

 

De acordo com a Secretaria de Estado de Educação (Seduc), não é possível conceder a revisão geral anual (RGA), que representa a correção da inflação do ano anterior, e nem a lei 510/2016, por causa dos problemas financeiros do Estado e também do limite de gastos com pessoal previsto na Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF)

 

A LRF é uma lei federal que estabelece parâmetros para os gastos dos Estados e municípios brasileiros. Entre esses gastos estão as despesas de pessoal, que podem consumir o máximo de 49% da Receita Corrente Líquida (RCL), ou seja, o Estado não pode gastar com folha de pagamento de seus servidores mais de 49% daquilo que arrecada.

Voltar Imprimir

Publicidade

Comentários

Maria Thelma - 01/08/2019

Espero que este impasse termine logo pois esta queda de braço entre governo e servidores só tem uma lado prejudicado os alunos, o ensino público já é carente e precário e com tantos dias sem aula como será para os alunos? e também já que a greve foi considerada ilegal que os orgãos façam valer a determinação da justiça aos que não obedecerem pois o sindicato é multado, mas pagam as multas? e os que não querem trabalhar deixa a vaga para quem querem porque tem uma fila de profissionais desempregados.

1 comentários

1 de 1

Jornal do Meio Dia - JM

Jornal do Meio Dia - JM

Enquete

Racismo, fake news e ganância são alguns dos sambas-enredo deste ano. O Carnaval deve ser politizado?

Parcial

Edição digital

Domingo, 08/12/2019

imagem
imagem
imagem
imagem
imagem
imagem

Publicidade

btn-4

Indicadores

Milho Disponível R$ 18,75 0,54%

Algodão R$ 90,55 0,57%

Boi a Vista R$ 137,50 0,55%

Soja Disponível R$ 68,40 0,00%

Publicidade

Classi fácil
btn-loja-virtual

Publicidade

Mais lidas

Publicidade

O Grupo Gazeta reúne veículos de comunicação em Mato Grosso. Foi fundado em 1990 com o lançamento de A Gazeta, jornal de maior circulação e influência no Estado. Integram o Grupo as emissoras Gazeta FM, FM Alta Floresta, FM Barra do Garças, FM Poxoréu, Cultura FM, Vila Real FM, TV Vila Real, o Instituto de Pesquisa Gazeta Dados, Gráfica Millenium e o Portal Gazeta Digital.

Copyright© 2019 - Gazeta Digital - Todos os direitos reservados Logo Trinix Internet

É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem a devida citação da fonte.