Publicidade

Cuiabá, Terça-feira 15/10/2019

Judiciário - A | + A

FRAUDE EM PAGAMENTOS 03.09.2019 | 16h42

MPE exige que Blairo, Eder, Piran e mais 7 devolvam R$ 182 milhões

Facebook Print google plus
Jessica Bachega e Pablo Rodrigo

redacao@gazetadigital.com.br

João Vieira

João Vieira

O Ministério Público Estadual (MPE) exige que o ex-governador Blairo Maggi, o empresário Valdir Piran, o ex-secretário Eder Moraes e outros 7 devolvam R$ 182 milhões desviados do Estado. O valor é referente a pagamentos irregulares feitos à Construtora Andrade Gutierrez.

 

Leia também - Coronel confessa fraude e TJ manda soltar sargento da PM

 

Segundo a ação, que teve como base a delação do ex-governador Silval Barbosa (sem partido), quando era vice-governador de Maggi, herdou uma dívida de R$ 40 milhões com o empresário Valdir Piran.

 

O valor tinha sido emprestado ao grupo de Maggi para quitar uma dívida da Assembleia Legislativa (ALMT). Os ex-deputados José Riva e Sergio Ricardo tinha procurado o ex-governador pedindo ajuda para cobrir pendência de R$ 18 milhões da Casa de Leis. Em troca da ajuda, os parlamentares se comprometeram a apoiar a gestão Maggi e influenciar os demais deputados. Blairo aceitou pagar o valor e acionou o então secretário de Fazenda, Eder Moraes, que intermediou o empréstimo do grupo de Maggi com Piran.

 

Adotando a mesma estratégia da Assembleia, diz a denúncia, Maggi chantageou Silval oferecendo seu apoio na campanha ao governo, caso assumisse a dívida que já estava em R$ 40 milhões. Se Silval aceitasse, Maggi concorreria ao Senado e o apoiaria para que fosse seu sucessor. O delator aceitou pagar a dívida do grupo.

 

A pendência foi paga a Piran entre 2009 e 2011. Para tanto, Blairo informou a Silval que havia contratos prontos para pagamentos da empresa Andrade Gutierrez e o orientou a procurar Moraes para buscar maneiras de efetivar os repasses.

 

No Tribunal de Justiça estão os precatórios das empresas para as quais o Estado deve e estes devem ser pagos de forma cronológica. Porém, para o sucesso dos pagamentos, as dívidas com a Andrade Gutierrez foram colocadas em uma lista separada, para que fossem pagos primeiro e não acompanhassem a ordem correta de quitação. A princípio, empresa e Estado passavam por audiência de conciliação para que fossem efetuados os pagamentos, porém depois a construtora disse que havia chegado a acordo com o governo e os pagamentos eram feitos na sua conta diretamente.

 

Assim também foram feitos contratos fraudados para que do valor pago à construtora, 45% seriam devolvidos e repassados a Piran. E assim foi feito em 4 anos entre as gestões de Silval e Blairo.


Conforme a ação, a construtora tinha precatórios a receber do Estado, por serviços prestados entre 1995 e 1997 que não tinham sido pagos até a gestão de Maggi. Os contratos eram firmados junto ao extinto  Departamento de Estradas de Rodagem do Estado de Mato Grosso (Demat), que depois se tornou Departamento de Viação e Obras Públicas (DVOP)
 

“Portanto, a verdadeira motivação para o pagamento extrajudicial (administrativo) feito pelo Estado de Mato Grosso à construtora Andrade Gutierrez foi obter ‘retorno’, propina, desvio de recursos públicos, destinando-os à quitação de dívida escusa que o grupo político dirigido pelos réus Blairo Maggi e Eder de Moraes Dias mantinha com o operador financeiro, ora réu, Valdir Agostinho Piran”, diz trecho da ação.

 

Ao todo foram pagos R$ 276.533.272,15 à construtora, dos quais R$ 182.943.733,76 foram usados para pagar dívidas do grupo, gerando prejuízo ao erário. R$ 200 milhões foram pagos por Blairo e R$ 50 milhões por Silval, em 19 repasses, conforme o ex-governador e delator. Depois, os pagamentos de precatórios foram suspensos pelo Judiciário, por conta de suspeita de irregularidade.

 

São investigados na ação assinada pelo promotor de Justiça Roberto Turin, além de Moraes Dias, Maggi, o procurador do Estado aposentado Chico Lima, o procurador João Virgílio do Nascimento Sobrinho, o ex-secretário Edmilson José dos Santos, o empresário Valdir Agostinho Piran, a empresa Piran Participações e Investimentos Ltda, o ex-diretor da Andrade Gutierrez Luiz Otávio Mourão, ex-diretor da Andrade Gutierrez Rogério Nora de Sá e Construtora Andrade Gutierrez.

 

Outro lado
O ex-secretário Eder Moraes afirma que a ação é sem fundamento e só uma madeira de “tomar o tempo” do Judiciário. Não passa de uma maneira de criar cortina de fumaça para encobrir as investigações das quais o MPE é alvo.

 

“Essa questão da Andrade Gutierrez já foi decidida pelo Tribunal Regional Federal, da 1ª Região, como pagamento lícito, correto. Já foi decidido pelo Superior Tribunal de Justiça, mandando pagar ainda mais R$ 82 milhões, além do que foi pago. Há uma tomada de contas especial do Tribunal de Contas do Estado, onde diz que o pagamento foi vantajoso para o Estado de Mato Grosso. Só posso entender que isso é uma enrolação, uma enganação que busca denegrir a imagem de pessoas públicas na imprensa e na sociedade para desviar o foco da cortina de fumaça que estão criando para a podridão que há dentro do Ministério Público de Mato Grosso e em breve será revelada para toda a sociedade conhecer”, informou o ex-secretário ao GD.

Voltar Imprimir

Publicidade

Comentários

Jornal do Meio Dia - JM

Jornal do Meio Dia - JM

GD

GD

Enquete

Ter um diploma leva a uma maior remuneração?

Parcial

Edição digital

Terça-feira, 15/10/2019

imagem
imagem
imagem
imagem
imagem
imagem

Publicidade

btn-4

Indicadores

Milho Disponível R$ 20,55 1,23%

Algodão R$ 93,71 -0,76%

Boi a Vista R$ 133,00 0,00%

Soja Disponível R$ 68,00 -1,73%

Publicidade

Classi fácil
btn-loja-virtual

Publicidade

Mais lidas

Publicidade

O Grupo Gazeta reúne veículos de comunicação em Mato Grosso. Foi fundado em 1990 com o lançamento de A Gazeta, jornal de maior circulação e influência no Estado. Integram o Grupo as emissoras Gazeta FM, FM Alta Floresta, FM Barra do Garças, FM Poxoréu, Cultura FM, Vila Real FM, TV Vila Real, o Instituto de Pesquisa Gazeta Dados, Gráfica Millenium e o Portal Gazeta Digital.

Copyright© 2019 - Gazeta Digital - Todos os direitos reservados Logo Trinix Internet

É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem a devida citação da fonte.